'É uma acusação caluniosa', afirma Humberto Costa

Líder do PT no Senado nega ter recebido dinheiro e diz que Mário Beltrão nunca foi arrecadador de suas campanhas eleitorais

Fausto Macedo e Ricardo Brandt, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2014 | 08h02

O senador Humberto Costa (PT-PE) negou recebimento de dinheiro não contabilizado e afirmou não ter poder para tirar do cargo um diretor da Petrobrás. "Que poder teria eu nessa época de interferir na Petrobrás a ponto de tirar um diretor?", questionou.

Costa disse que Mário Beltrão, seu amigo, é um empresário com contratos na estatal que sempre atuou pela implantação do Porto de Suape e do Polo Petroquímico de Pernambuco. "Ele nunca foi arrecadador ou financeiro de minha campanha. É acusação caluniosa."

Segundo o senador, ele conheceu Paulo Roberto Costa em 2004, que se empenhou pela instalação da Refinaria Abreu e Lima (PE). "Como era o diretor da área de Abastecimento, responsável pela implantação de refinarias, todos em Pernambuco tiveram relação com ele."

O senador ressaltou que Paulo Roberto Costa não dá detalhes verossímeis do suposto pagamento. "Desconheço totalmente isso e desconheço que o Mário Beltrão tenha pedido qualquer coisa a quem quer que seja. Logo que tiver acesso à delação vou tomar as medidas legais", disse. "(Beltrão) é muito ligado a mim e trabalhou fortemente para trazer a refinaria a Pernambuco. É pessoa da mais absoluta idoneidade", afirma o senador. "Sei que ele (Beltrão) tem contrato com a Petrobrás, mas não que tivesse na área de Abastecimento, do Paulo Roberto."

O petista negou conhecer o doleiro Alberto Youssef. "Nunca vi, nem sei quem é."

Mário Beltrão reagiu com indignação à acusação do ex-diretor da Petrobrás. "É uma leviandade que machuca a dignidade e o currículo de um chefe de família honrado." Em 2010, sua empresa doou R$ 150 mil para a campanha de Humberto Costa. "Eu prezo a transparência e a honestidade. Humberto é meu amigo de infância, mas nunca me pediu colaboração de campanha. E jamais pedi um centavo para Paulo Roberto. Nunca falei com ele sobre recurso de campanha. Minha relação com ele sempre foi institucional. Nunca falei nesse um milhão. Falei só de empregos, de inserção de empresas locais." Beltrão diz que Paulo Roberto Costa chegou a seu Estado "como um rei, trouxe o sonho dos pernambucanos". "Eu luto pela refinaria há 15 anos."

Ele possui uma empresa de "pequenos equipamentos e de manutenção". "Sou cadastrado na Petrobrás há 32 anos, mas nunca apertei um parafuso na Abreu e Lima. Nos últimos 12 anos não tem nenhum contrato meu na Petrobrás."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.