'É um momento de acabar com a impunidade', afirma Dilma sobre Lava Jato

Presidente voltou a falar sobre operação da PF que expôs rede de lavagem de dinheiro e evasão de divisas envolvendo inclusive a Petrobrás

Tânia Monteiro e Marcelo de Moraes, O Estado de S. Paulo

06 de novembro de 2014 | 19h24

 Brasília - Em entrevista nesta quinta-feira, 6, no Palácio da Alvorada, a presidente Dilma Rousseff voltou a falar sobre a operação Lava Jato e disse que "é um momento para acabar com impunidade. Não vou engavetar nada. Quero todos os responsáveis punidos", declarou a presidente.,

Deflagrada em março pela Polícia Federal, a operação investiga um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas, que movimentou cerca de R$ 10 bilhões. A investigação expôs uma rede de mercado clandestino de câmbio com uso de verbas públicas operada pelo doleiro Alberto Yousseff e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás, Paulo Roberto Costa.

Em acordo de delação premiada, Costa revelou que abastecia parlamentares e partidos políticos com verbas que vinham de propinas pagas por empreiteiras para conseguirem contratos com a estatal. Dentre os partidos envolvidos no esquema estariam o PT, PP, PMDB, PSB e também o PSDB, principal sigla de oposição ao governo.

Eleição. A presidente declarou também ter tirado uma lição da campanha presidencial: "A eleição me ensinou que o povo não é bobo. O povo é muito esperto nesse País. É só uma pequena elite que é deselegante, que xinga e que maltrata".

E sobre sua vitória, por uma margem apertada de votos em relação ao candidato do PSDB, Aécio Neves, ela garantiu não ter perdido a noção da realidade. "Algumas pessoas acham que quando ganham são os reis da cocada preta. Não são. Sua responsabilidade é com toda a sociedade".

Sobre reunião da executiva do PT logo depois da eleição, a presidente Dilma fez questão de dizer que não representa apenas o PT. "Eu represento a Presidência da República. Eu represento o País e não o PT. O PT, como qualquer partido, tem posição de partes e não do todo", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Lava JatoDilma RousseffPetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.