‘É um erro não reconhecer a força digital’, diz chefe da Secom

Publicitário, que está prestes a deixar o cargo, afirma que o governo fará intensa campanha publicitária para obter apoio à reforma da Previdência a um custo seis vezes menor do que na gestão de Michel Temer

Entrevista com

Floriano Amorim, chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom)

Vera Rosa e Leonencio Nossa, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2019 | 05h00

BRASÍLIA - Prestes a deixar a Secretaria de Comunicação (Secom), Floriano Amorim afirmou nesta quarta-feira, 27, que o governo fará intensa campanha publicitária para obter apoio à reforma da Previdência a um custo seis vezes menor do que na gestão de Michel Temer. Pelas suas contas, a propaganda para “vender” as mudanças na aposentadoria custará, no governo de Jair Bolsonaro, cerca de R$ 30 milhões, enquanto, sob Temer, ficou em R$ 181 milhões.

Amorim será substituído pelo empresário Fábio Wajngarten, especialista em comunicação, num momento em que a Câmara tenta enquadrar o governo e o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), avisa que o Planalto precisa “sair do Twitter”, se quiser conquistar votos no Congresso. “É um erro não reconhecer a força das mídias digitais”, disse o publicitário.

Por que o sr. está deixando a Secom?

Eu pedi afastamento, mas continuo acreditando muito no presidente Bolsonaro. Estou 100% fechado com ele. Cumpri minha missão de identificar problemas e contratos que oneravam muito o governo. Dou um exemplo: antes, seis filmetes, com algumas empresas contratadas, tinham custo médio de R$ 350 mil. Em pouco mais de um mês de atividade, organizamos mais de 40 vídeos a preço de salário (de servidor). Isso deve incomodar (as agências de publicidade).

Houve pressão de fora?

Cito João 8:32: Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.

A popularidade do presidente caiu. O envolvimento do vereador Carlos Bolsonaro e do escritor Olavo de Carvalho nas redes sociais atrapalha o governo?

É uma questão particular de cada um deles e eu não gostaria de tecer comentários. A minha relação é ótima tanto com o Carlos Bolsonaro quanto com Olavo de Carvalho. São pessoas que trabalham fortemente pelo País.

Quanto custará a campanha publicitária da nova Previdência?

Asseguro que não está passando da casa dos R$ 30 milhões. Não tenho responsabilidade pela campanha passada (governo Temer), quando foram gastos R$ 181 milhões.

Mas o novo valor é só para internet?

Não. Inclui internet, TV, rádios, mídias regionais, mas utilizando recursos públicos. Uma pesquisa mostrou que 70% da população passa de oito a nove horas no celular. Então, é um erro não reconhecer a força das mídias digitais. É preciso que haja um pacto pelo País em torno da nova Previdência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.