''É tolice absoluta'', reage defesa

"Há um quadro de perseguição contra Daniel Dantas, com todos os desmandos que essa investigação já revelou", reagiu Nélio Machado, que defende o banqueiro. "Falar em lavagem de dinheiro é tolice absoluta. O banco, preocupado com perda imediata de 10% de seu patrimônio líquido, publicou em agosto e dia 8 último comunicado sobre a transferência para o BNY Mellon. Uma operação absolutamente regular, transparente porque realizada com ampla publicidade e informada às instituições oficiais, com amparo em resolução da CVM. Como falar em lavagem se é dinheiro transferido às claras? O Mellon jamais aceitaria algo irregular. Ou o Coaf não entende ou está demonizando Dantas. Vamos desmoralizar essas medidas. Tudo será reduzido a pó, mentira tem perna curta. O Brasil não pode mais conviver com juiz inquisidor, que participa da investigação e julga a causa." Sobre os R$ 10 milhões para a conta de Beassy Schachnik, irmã de Dório Ferman, o advogado esclareceu: "A mãe de Dório morreu em 2005, deixou bens para 4 herdeiros. Uma beneficiada é a irmã de Dório. Por iniciativa própria ela fez o resgate." O BNY Mellon não se manifestou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.