Imagem Vera Magalhães
Colunista
Vera Magalhães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

E só Temer não viu

Mesmo no fim de semana, os assessores mais próximos do presidente garantiam que Geddel não fez nada demais

Vera Magalhães, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2016 | 04h00

A semana que começou com Michel Temer passando a mão na cabeça de Romero Jucá e demonstrando, de um lado, condescendência com acusações de corrupção contra aliados e, de outro, paúra da capacidade de mobilização de Lula e do PT, só poderia terminar com um episódio como o que contrapôs o ministro Geddel Vieira Lima e o agora ex Marcelo Calero.

Parafraseando Chico Buarque, o tempo passou na janela, e só Temer e seus principais aliados no Planalto e no Congresso não viram. No Brasil pós-Lava Jato, vai-se mostrando impossível conviver com tráfico de influência explícito como o praticado por Geddel, tentativas de moldar as leis às conveniências dos investigados, como as praticadas na Câmara e no Senado, e manobras para o tapetão, como a tentada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para buscar uma reeleição que não lhe é facultada.

O desassombro com que Calero deu uma entrevista para contar em detalhes algo que pré-Lava Jato ficaria restrito aos bastidores, mostra que grampos, delações e prisões de poderosos tiveram, sim, um efeito educativo sobre a política brasileira, e que há quem se importe em preservar honra e currículo de máculas que outros das antigas gerações tratam com desdém.

Temer parece alheio ao trem da história: mesmo no fim de semana, os assessores mais próximos do presidente garantiam que Geddel não fez nada demais, e fica onde está. Mais: o fato de a pressão não ter surtido resultado seria ponto a favor do governo. Vida que segue. A conferir.

GOVERNO

Caso Geddel não ameaça PEC do Teto, diz Planalto

Mesmo admitindo desgaste na articulação política com as acusações desferidas por Calero sobre Geddel, o Planalto não acredita que o episódio tenha peso suficiente para impedir a aprovação da proposta de emenda constitucional que fixa o teto de gastos do setor público em primeiro turno. O placar estimado continua de ao menos 60 votos a favor da limitação. Mas, pelo sim, pelo não, a reforma da Previdência só vai para a Câmara depois que a primeira votação tiver acontecido.

PLANO C

Deputados podem tentar ‘lavar’ caixa 2 na lei eleitoral

Diante da dificuldade de chegar a um texto que permita colocar a anistia ao caixa 2 no texto que tipifica o crime na lei penal, os deputados podem tentar outra abordagem: modificar a legislação eleitoral para permitir declarações de recebimento de “recursos não contabilizados”, para usar a definição eternizada por Delúbio Soares, por meio da abertura de novos prazos para retificação das prestações de contas.

CRISE NO FISCO

Chefes de inteligência da Receita fazem manifesto

O novo capítulo da crise que ameaça paralisar a Receita Federal é um manifesto assinado pelos chefes da Copei (Coordenação Geral de Pesquisa e Investigacão), a elite da inteligência do Fisco, contra as modificações do projeto de lei 5864, que reestrutura as carreiras do órgão. Endereçado a Jorge Rachid, o documento diz que o texto compromete investigações, arrecadação e fiscalização de tributos e o controle aduaneiro. 

“Os chefes das unidades de inteligência da Receita Federal deixam de lado o silêcio e discrição que lhes são típicos para alertar e solicitar a atenção da sociedade para os riscos que se apresentam ao exercício das atividades de suas equipes, as quais, de forma imparcial e técnica, buscam contribuir para a proteção do cidadão e do Estado.”

CASAL 20

Ministério Público pode pedir prisão de mulher de Cabral

O Ministério Público Federal analisa pedir a prisão da mulher do ex-governador Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo. Integrantes da força-tarefa da Lava Jato dizem que a investigação sobre os desvios de Cabral e seus aliados já continham elementos para incriminar a advogada, e que documentos e objetos apreendidos pela operação Calicute devem tratar de amarrar as pontas que ainda estavam soltas e fizeram com que ela apenas tivesse pedida a condução para depor.

SÃO PAULO

Diretor do MIS vai assumir pasta da Cultura de Doria

André Sturm será anunciado nesta semana novo secretário de Cultura de São Paulo. Diretor do MIS (Museu da Imagem e do Som) desde 2011 e responsável pelas exposições que levaram recordes de público e prestígio à instituição mantida pelo governo estadual, o cineasta gaúcho aceitou o convite de João Doria depois da negativa de José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, em assumir o posto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.