Dida Samaio/Estadão
Dida Samaio/Estadão

'É preciso reanimar militância e reformular um projeto', diz Carvalho

A menos de dois dias das eleições internas do PT, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da Republica faz autocrítica à sigla

Beatriz Bulla, Agência Estado

08 de novembro de 2013 | 18h28

São Paulo - Às vésperas do Processo de Eleições Diretas (PED) do PT, que será realizado neste domingo, 10, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da Republica, Gilberto Carvalho, fez uma crítica à situação do partido. Ele disse que é preciso reanimar a militância e reformular um projeto. "Estamos com dificuldade de elaboração, dificuldade de revitalizar nossa militância", afirmou Carvalho, ao deixar evento em São Paulo na tarde desta sexta-feira, 8.

"Nós estamos precisando reformular nosso projeto, inclusive na perspectiva de 2014, ter nosso pólo de criação. Espero que a nova direção seja capaz de fazer essa reanimação", afirmou o ministro. Carvalho evitou entrar no mérito dos candidatos da eleição, mas comentou que o desempenho do PED, que acontece no domingo, está "mais ou menos definido". A expectativa no partido é pela recondução do deputado estadual Rui Falcão (PT-SP) ao comando nacional do PT.

Para Gilberto Carvalho, é "inquestionável" o fato de que o partido permanece unido. Sua preocupação, reforça, é outra: "minha preocupação é que o PT retome cada vez mais um processo que seja capaz de combinar uma militância forte nos movimentos sociais, militância forte nas ruas e militância nos órgãos institucionais também evidentemente, com uma capacidade de elaboração".

Disputas internas. Durante competição pela direção do partido, candidatos trocaram acusações internas. Dirigentes do PT que apoiam a reeleição de Rui Falcão acusaram no início de setembro filiações em massa em redutos eleitorais para fortalecer a candidatura de Paulo Teixeira (SP), da corrente Mensagem ao Partido. O concorrente de São Paulo, por sua vez, criou uma cartilha de orientação para apoiadores identificarem fraudes de adversários no dia da votação.

Oito chapas disputam a direção do PT a nível municipal, estadual e federal. Para o cargo de presidente do Partido, são candidatos Rui Falcão, que tem o apoio das correntes majoritárias, Paulo Teixeira, Markus Sokol, Renato Simões, Serge Goulart e Valter Pomar. Quem vencer a eleição neste final de semana irá dirigir o PT por quatro anos, incluindo a disputa da eleição presidencial em 2014.

Tudo o que sabemos sobre:
PEDPTGilberto Carvalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.