É preciso entender que governo atende à maioria, diz ministro

O ministro do Trabalho, Jaques Wagner, afirmou que, apesar de considerar "legítimo e natural" o protesto dos servidores públicos, adverte que esses trabalhadores "devem entender que são uma parte da sociedade e a politica do governo está centrada na maioria da sociedade". "Todas as demandas setoriais são legítimas, desde que não fiquem de costas para a demanda geral", afirmou Wagner, que nesta semana participou da Conferência Internacional do Trabalho, em Genebra.Wagner diz que não tem nenhuma expectativa de que o governo, por ter um presidente que veio do movimento sindical, não sofra reivindicações por parte dos trabalhadores. "As reivindicações são naturais, não têm um ponto final. É próprio do ser humano reivindicar sempre", afirmou, lembrando que ele sempre defendeu a preservação da autonomia do movimento sindical. O ministro, porém, alerta: "Os servidores e as liderançass sindicais têm que entender com que tipo de governo estão negociando. É preciso não ficar fazendo julgamento precipitados, como eu já disse para alguns sindicalistas no congresso da CUT". Wagner deixa claro que até rejeita a iniciativa de alguns sindicatos e de servidores em adjetivar o governo. "Digo para meus amigos sindicalistas que precisam escolher se preferem um governo que converse com transparência e democraticamente ou se preferem um governo que não abra as portas", afirmou.Para o ministro, a vontade do governo em dialogar com os sindicatos é clara. "Nunca os sindicatos se sentaram com seis ministros para um processo de negociação. Sei que isso não enche a barriga de ninguém, mas insisto que política não é só conta, existem simbologias, e essa representa uma decisão do governo de respeitar o servidor público", completa o ministro, que garante que o governo vai ser absolutamente transparente em suas informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.