'É necessário dar ao Bolsa Família uma melhor fundamentação jurídica', diz Patrus

Ex-ministro de Lula defende que programa se transforme em política pública permanente

Eduardo Kattah, O Estado de S. Paulo

01 de setembro de 2013 | 21h09

SÃO PAULO - Ex-ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o petista Patrus Ananias defende que o programa Bolsa Família se transforme numa política pública permanente, que garanta a todos as famílias o suficiente para suprir as necessidades básicas. Para isso, ele diz ser necessário dar ao programa "uma melhor fundamentação jurídica", ampliando a lei que o normatiza. Leia abaixo os principais trechos da entrevista.

Como o sr. viu os recentes boatos envolvendo o Bolsa Família?

Precisamos ampliar a discussão sobre o Bolsa Família e outros programas sociais. Há uma palavra que me incomoda: as portas de saída. Me lembro que quando eu estava no ministério isso era muito colocada. Eu dizia: "Foram 500 anos de exclusão, 500 anos que os pobres ficaram de fora e agora, com dois, três anos de programa - naquela época - as pessoas já querem portas de saída. Na minha terra, no norte de Minas, em Bocaiúva, essa expressão é meio dura, é um convite a sair da casa...

É preciso aumentar o investimento no Bolsa Família?

Na minha avaliação é necessário dar ao Bolsa Família uma melhor fundamentação jurídica. Colocar o Bolsa Família no campo de uma política pública que alguns estão chamando de renda de cidadania para as pessoas e famílias pobres. O que seria isso? É colocar como uma política pública permanente. Considerando as possibilidades do Estado brasileiro, em sintonia com a sociedade, o Estado brasileiro democraticamente estabeleceria o que seria uma renda pessoal e familiar mínima. Menos do que isso não pode. Interessa ao Estado como interessa à sociedade preservar e manter os vínculos, os laços os valores e as relações familiares. Uma família que ganhar aquém dessas necessidades básicas está seriamente ameaçada de se esgarçar. Interessa ao Estado e também à sociedade que as famílias mantenham também seu poder de compra. Isso é importante para a economia. Interessa manter as crianças na escola, com condições de ir à escola. Eu vi isso na Áustria em outros países também, como a Suécia: o país estabelece uma renda mínima. A pessoa, desempregado ou não, que ganhar menos que aquilo, o Estado automaticamente aporta um valor complementar porque considera que menos que aquilo, a pessoa e a família começam a viver no limiar da pobreza extrema, da miséria... Temos de pensar o Bolsa Família numa perspectiva de tornar o programa numa política pública mais permanente, aquiescendo todas as pessoas e famílias que estiverem naquele critério. E o País pode, inclusive, na medida que for se desenvolvendo economicamente, socialmente, ampliar esse valor. Outro desafio que nós temos de enfrentar no Brasil é definir melhor o que é pobreza.

Como fazer isso?

A lei que normatiza o Bolsa Família pode ser hoje aperfeiçoada e ampliada. Tem a lei aprovada que estabelece a renda de cidadania (do senador Eduardo Suplicy), mas é uma norma muito geral.

O Bolsa Família precisa de reforço orçamentária tendo em vista a conjuntura econômica?

Tem que ter um acompanhamento. O desafio que se coloca é esse: promover cada vez mais o encontro das política públicas sociais.

Os Estados possuem programas de transferência que sejam importantes, significativos?

Não, não me lembro. Os investimentos do governo federal para essa área foram vigorosos. O que nós buscamos foi uma ação integrada com o governos estaduais e municipais, independente de qualquer critério político-partidário, ideológico. Alguns Estados deram maior resposta em termos de parceria, outros menores. Na verdade, os Estados que responderam foram muito poucos. Nós tivemos um retorno maior e estabelecemos uma parceria mais vigorosa, pelo menos no tempo em que eu estava no ministério, com os municípios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.