É ´maduro´ acordo de dividir presidência da Câmara, diz Tarso

O ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro, classificou como "madura" a proposta do presidente interino do PT, Marco Aurélio Garcia, para que o seu partido divida com o PMDB a presidência da Câmara. "Se o PMDB verificar que 80% apóia o Arlindo Chinaglia, o apoio do partido será para ele", explicou Tarso. Mas isso, na sua opinião, não irá atrapalhar a base aliada. "Todo mundo faz política, é maduro e o interessante é o governo de coalizão", afirmou Tarso Genro. A proposta de Marco Aurélio Garcia de dividir a presidência da Câmara foi apresentada em carta encaminhada ao presidente do PMDB, Michel Temer. A carta é assinada também pelo deputado Arlindo Chinaglia, líder do governo e concorrente petista à sucessão do atual presidente, Aldo Rebelo (PCdoB). Pela proposta, nos dois primeiros anos, a presidência ficaria com o PT e, nos anos seguintes, caberia ao PMDB indicar o presidente. Tarso comentou ainda que "o parlamento está de parabéns" por ter adiado para o próximo ano a discussão sobre aumento salarial dos parlamentares. Segundo ele, o Congresso fez uma autocrítica responsável. "O senado e a Câmara se valorizam muito com essa decisão", disse.

Agencia Estado,

21 Dezembro 2006 | 13h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.