JOÃO SOARES / ESTADÃO
JOÃO SOARES / ESTADÃO

É injusto falar em 'PEC da Impunidade', diz vice-presidente da Câmara, que prevê votação nesta sexta

Marcelo Ramos (PL-AM) disse que aprovar a PEC que blinda congressistas é “virar a página” da prisão de Daniel Silveira (PSL-RJ)

André Shalders, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2021 | 11h02

BRASÍLIA - O vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), defendeu na manhã desta sexta-feira a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que blinda parlamentares ao limitar as situações em que eles podem ser presos, além de proibir que os congressistas sejam afastados de seus mandatos por ordem judicial.

Segundo Ramos, a Casa deve retomar a sessão para votar a proposta ainda na manhã de hoje. O objetivo é aprovar o primeiro turno da PEC ainda nesta sexta-feira.

O vice-presidente da Câmara criticou os deputados contrários ao texto, que apelidaram a proposta de “PEC da Impunidade”.

“Em relação aos deputados que julgam a PEC como ‘PEC da Impunidade’, acho que é uma absoluta injustiça. Acho que alguns (são contra a PEC) por dificuldade de compreensão técnica do conteúdo do texto; e outros porque estão menos preocupados em preservar a independência do Parlamento, e mais preocupados em ganhar likes na internet”, disse Ramos.

Ontem, em um revés para o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), a Câmara adiou para hoje a votação. Após um dia inteiro de discussões no plenário e várias obstruções, o Centrão não conseguiu apresentar uma proposta de consenso nem negociar acordos com a oposição. PT, Rede, Novo, Podemos e Cidadania foram os que mais se opuseram à votação da PEC a toque de caixa.

“Precisamos virar essa página para que na semana que vem a gente possa retomar coisas fundamentais para o País: vacina, PEC Emergencial, auxílio emergencial, início da tramitação da reforma administrativa. Não vamos deixar passar do início dessa semana, porque precisamos voltar para as coisas que efetivamente são fundamentais”, disse Ramos. 

A proposta discutida na Câmara foi uma reação ao que deputados consideraram uma intervenção do STF, que, por 11 votos a 0, referendou a prisão de Silveira, determinada no dia 16 pelo ministro Alexandre de Moraes. O deputado bolsonarista foi preso por divulgar um vídeo no qual ofendeu ministros da Corte, incitou a violência e fez a apologia da ditadura militar. A Câmara não afrontou a decisão unânime do STF e confirmou a prisão, mas logo em seguida Lira articulou forte reação.

O vice da Câmara também rebateu as críticas de que a PEC estaria sendo votada rápido demais. “Em relação à velocidade, o presidente Arthur Lira deixou muito claro. Precisávamos dar resposta a um fato excepcionalíssimo que aconteceu, que foi a prisão do deputado Daniel (Silveira), e a confirmação (da prisão pela) Casa. Não era algo que se pudesse esperar, porque a situação não era de normalidade”, disse Ramos.

A PEC muda uma série de normas e procedimentos sobre o afastamento e a eventual prisão de deputados e senadores. O rol de crimes pelos quais eles poderiam ser presos diminui, e os congressistas precisarão ser levados para a sede do Congresso, em Brasília, onde ficarão custodiados pela Polícia Legislativa.

Além disso, os representantes só poderão responder por declarações por meio de processo disciplinar no Conselho de Ética da Câmara ou do Senado, e não mais na Justiça, como aconteceu com Daniel Silveira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.