Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

É impossível garantir que não haverá apagão, diz Jorge

O ministro de Minas e Energia, José Jorge, disse que somente é possível garantir que não haverá apagão no Sudeste pelas próximas seis semanas e no Nordeste pelas próximas quatro semanas. Dessa forma, ele discorda das declarações do presidente Fernando Henrique Cardoso à revista Alemã Der Spiegel, de que não haverá apagão até o fim deste ano. "Você quer saber em que time eu estou? Eu infelizmente estou no time do Pedro Parente", disse o ministro, ao ser questionado sobre as declarações do presidente Fernando Henrique, que divergem do que tem dito o presidente da Câmara de Gestão da Crise de Energia, Pedro Parente. "Apesar de nós estarmos com a situação tecnicamente sob controle, a necessidade ou não do apagão depende ainda da manutenção da economia de energia e do índice pluviométrico", afirmou. O ministro lembrou que os piores meses seriam agosto e setembro. "Nós já atravessamos agosto e agora, espero que também atravessemos setembro." José Jorge explicou que o apagão pode ser afastado no Sudeste pelas próximas seis semanas porque o nível dos reservatórios está 2,8 pontos porcentuais acima do projetado, enquanto no Nordeste a garantia pode ser apenas de quatro semanas, porque o nível dos reservatórios está menos de um ponto porcentual acima do previsto. Ele disse, ainda, que o não pagamento de bônus a quem consome mais de 100 quilowatts não foi a causa da redução da economia de energia. "As regras para o pagamento de bônus eram claras. E o que estava determinado está sendo pago", afirmou. O ministro disse acreditar que a economia de consumo está menor porque pessoas que haviam reduzido a utilização de energia elétrica além das metas agora estão voltando a usar alguns de seus aparelhos eletroeletrônicos. "Acredito que agora os 25% de consumidores que não atingiram suas metas e que estão sendo cortados ou pagando sobretaxas vão também economizar. E com isso a situação vai se equilibrar", declarou o ministro, que participou, no Rio, da cerimônia de comemoração dos 50 anos da Federação Nacional de Empresas de Seguro e Capitalização (Fenaseg).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.