Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Edilson Rodrigues/Agência Senado
Edilson Rodrigues/Agência Senado
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

É hora de a cúpula militar concordar com Aziz: os bons das FA devem estar envergonhados

A grande dúvida é como o Ministério da Saúde abriu sua portaria para esse tipo de gente. Só não mais inacreditável do que o número de coronéis e tenentes-coronéis envolvidos, de alguma forma, na lambança

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2021 | 03h00

Durou menos de 24 horas a tentativa do presidente Jair Bolsonaro de usar um fato verdadeiro, seu quadro de saúde e suas dores, para criar um efeito eleitoral a seu favor, via internet, fotos e vitimização. Ontem mesmo, o foco, as atenções e o noticiário já estavam de volta à CPI da Covid e às suas revelações sobre não mais a já grave inação do governo, mas sobre a sua ação duvidosa, ou escandalosa, na negociação de vacinas.

Aquela foto de Bolsonaro sem camisa, cheio de fios, num leito hospitalar, não foi divulgada com outra intenção senão política e ilustrou um texto em que ele dá um jeito de dizer que o esfaqueador era do PSOL, “braço esquerdo do PT”, e cometeu um crime não só contra ele, mas “contra a democracia”. Quem é mesmo que ameaça a democracia?! E falou em sua pretensa proposta de “prosperidade”, terminando com o slogan de campanha. Bota campanha nisso!

Ontem, porém, a principal pauta política foi o depoimento de Cristiano Carvalho à CPI da Covid. Vem a ser aquele que se dizia representante da empresa americana Davati, agora admite que apenas “ajudava” e não consegue nem mesmo explicar por que cargas d’água recebeu auxílio emergencial na pandemia. Pelo visto, R$ 600 por mês era pouco. Ele queria um “auxílio” de milhões – em dólares.

Que Carvalho é um picareta, seu parceiro Luiz Paulo Dominghetti também e o tal pastor Amilton Gomes não fica atrás, ninguém tem dúvida. A grande dúvida é como o Ministério da Saúde abriu sua portaria, seus gabinetes, seus ouvidos e e-mails para esse tipo de gente. Inacreditável. Só não mais inacreditável do que o número de coronéis e tenentes-coronéis envolvidos, de alguma forma, na lambança.

Carvalho confirmou que sabia do pedido de propina feito por gente graúda da Saúde, como confirmou a sofreguidão do governo em negociar com a Davati e reuniões no ministério com até oito autoridades – a maioria delas militares. Militares falam tanto em “inteligência”, em “informação”, mas na Saúde não consultavam nem o básico: o Google. Bastavam alguns cliques para abortar qualquer contato com Davati, reverendo, cabo PM, o tal Cristiano do auxílio emergencial. A não ser que a intenção fosse outra...

Ao todo, Cristiano citou pelo nome oito militares, mas acrescentou uma boa pitada de pimenta: a guerra na Saúde não era entre militares e Centrão e, sim, entre os grupos de Roberto Dias, diretor de Logística, e do coronel da reserva Elcio Franco, número dois do ministério, com os militares do general da ativa Eduardo Pazuello se dividindo entre os dois. Pode uma coisa dessas?

No centro de tudo está Elcio Franco, conhecido pelos ex-colegas de caserna por ser íntegro e estudioso, mas estourado, um “galinho de briga”. Até por isso, não chegou ao generalato, apesar de ser o terceiro da sua turma na Infantaria. Não é pouco. Agora, ele precisa usar sua disciplina e seu temperamento estourado, não para atacar, mas para detalhar para a CPI e o povo brasileiro como funcionavam e como podem ser eliminados os “pixulés” citados por Pazuello ao sair da pasta.

Em qualquer hipótese, os militares da Saúde não ficam bem nessa foto das vacinas. Ou eram uns bobos, que não entendiam nada de SUS, pandemia, vírus, curva epidemiológica, vacinas e negociações internacionais, ou... Bem, a outra hipótese é ainda pior. E as duas confirmam: Bolsonaro jogou Pazuello na fria, Pazuello atraiu duas dezenas de militares e o que era uma fria ficou gelada.

É hora de o ministro da Defesa e os comandantes da Aeronáutica, da Marinha e do Exército jogarem fora a nota desaforada contra o senador Omar Aziz, presidente da CPI, para concordar plenamente com ele: “Os bons das Forças Armadas devem estar muito envergonhados”. Se não estão, deveriam...

COMENTARISTA DA RÁDIO ELDORADO, DA RÁDIO JORNAL (PE) E DO TELEJORNAL GLOBONEWS EM PAUTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.