É 'definitiva' saída do bloquinho e apoio a Temer, diz PDT

Partido diz que não seria aconselhável um mesmo partido presidir duas Casas, por isso apoia petista no Senado

SANDRA MANFRINI, Agencia Estado

22 de janeiro de 2009 | 19h44

A presidência nacional do PDT divulgou nota na noite desta quinta-feira, 22,  em que afirma como "definitiva" a decisão tomada sobre o desligamento do bloco de esquerda, o chamado "bloquinho" (composto por PSB, PCdoB, PMN e PRB), e o apoio à candidatura de Michel Temer (PMDB-SP) à presidência da Câmara. "O PDT entende que não seria aconselhável que um mesmo partido presidisse as duas Casas. Coerentemente, apoia o peemedebista Michel Temer na Câmara e o petista Tião Viana no Senado", diz a nota.O partido aproveita a nota para rebater "com veemência e indignação à afirmação de que nossa decisão se deu em obediência à ordem do Planalto". Segundo o partido, o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, tem o direito de participar das discussões do partido e deliberações. "Contudo, nem ele, nem a direção do partido, nem a bancada se submeteria a interferências externas quando se tratam de assuntos partidários", diz a nota. O presidente nacional do partido, deputado Vieira da Cunha (RS), afirma que "jamais" recebeu pressão e "muito menos ordens do Palácio do Planalto sobre qualquer assunto partidário".

Tudo o que sabemos sobre:
CâmaraPDTpresidência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.