É coisa de 'quem não tem mais nada a fazer', diz Lula sobre CPI

Para presidente, comissão criada para investigar irregularidades na Petrobras é uma questão político-eleitoral

ANDREI NETTO, Agencia Estado

17 de maio de 2009 | 15h16

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva definiu neste domingo, 17, em Riad, na Arábia Saudita, a instauração da CPI para investigar irregularidades na administração contábil da Petrobras como "questão político-eleitoral". De acordo com ele, a decisão de manter as assinaturas do requerimento para a implantação da CPI, tomada por 30 senadores, é coisa de "quem não tem mais nada a fazer". As declarações foram feitas em entrevista coletiva em Riade.

 

Veja também:

linkGoverno aposta em acordo contra CPI da Petrobras

link'Será uma CPI de defesa da Petrobras', diz líder do PSDB

linkBase descuida e oposição cria CPI da Petrobras

link MP pede investigação à manobra contábil da Petrobras

forum Enquete: A CPI da Petrobras atrapalha os investimentos da estatal?

especialVeja o que será apurado pela CPI da Petrobras

 

Para o presidente, a instauração da CPI não causa temor algum ao governo. "Do ponto de vista prático, não tem (receio) nenhum", afirmou. Lula disse que todos os comentários que tinha sobre o assunto foram feitos na base aérea de Brasília, antes da viagem. Na oportunidade, o presidente afirmou que a CPI não era do Congresso Nacional, e sim "do PSDB". "Não vou tocar em um assunto que é interesse específico do Senado. Todas as pessoas ali têm dados suficientes para fazer o que entenderem melhor", reiterou.

Lula lamentou que a investigação seja aberta em um "momento de ouro na área do petróleo", quando o governo proporá um debate nacional sobre o novo marco regulatório do setor. "Estamos viajando o mundo em busca de recursos para que a Petrobras possa intensificar a exploração do pré-sal", disse. "Não podemos transformar isso em uma questão política-eleitoral envolvendo a empresa mais importante que o Brasil tem." Ele, então, voltou a disparar contra os partidários da CPI: "De qualquer forma, se as pessoas que assinaram o requerimento não têm mais nada para fazer, que façam. Nós vamos continuar tocando o barco".

Mais conteúdo sobre:
CPIPetrobrasLulaArábia Saudita

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.