É cedo para extrair tendências de pesquisas, diz Berzoini

O presidente nacional do PT, deputado federal Ricardo Berzoini (PT-SP), afirmou que ainda é cedo para extrair qualquer tipo de tendência das pesquisas eleitorais sobre a corrida presidencial deste ano, ao comentar o resultado da pesquisa CNT/Sensus divulgada no final da manhã de hoje. "Ainda é cedo para falarmos em tendências", disse o dirigente petista, negando que os dados possam significar algum motivo de preocupação para o PT.Segundo o levantamento, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva passou de 42,2% das intenções de voto no primeiro turno na pesquisa anterior, para 37,5% nesta edição do levantamento.O tucano Geraldo Alckmin, por sua vez, subiu de 17,4% para 20,6%; o ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho (PMDB), teve uma leve alta de 14,4% para 15%; e a senadora Heloisa Helena (PSOL) passou de 5,1% para 4,3%. Em um segundo turno entre Lula e o candidato tucano, o presidente teria 45% das intenções de voto (ante 51,3% no levantamento anterior) e Alckmin ficaria com 33,2% (ante 27,9%).Na avaliação de Berzoini, as diferenças entre dados divulgados por diversos institutos de pesquisa ajuda a confirmar a idéia de que é preciso aguardar mais algum tempo até que seja possível fazer uma avaliação mais aprofundada do cenário eleitoral. Ele lembrou que a pesquisa Datafolha, divulgada no final de semana, trouxe um desempenho parecido de Lula e Alckmin no primeiro turno, mas uma evolução diferente quando analisados os dados das pesquisas anteriores realizadas por cada uma das entidades.O Datafolha apontou Garotinho como o único entre os principais candidatos a registrar aumento da intenção de voto, com alta de três pontos, para 15%. Lula caiu dois pontos, segundo a pesquisa, alcançando 40%, ao mesmo tempo em que Alckmin caiu três pontos, para 20%.De acordo com Berzoini, as duas pesquisas também mostram cenários diferentes no que se refere aos índices de rejeição registrados por cada um dos candidatos. Na pesquisa CNT/Sensus, a rejeição de Lula ficou estável em 35,7%, enquanto a de Alckmin caiu de 39,9% para 33,5%. O Datafolha, por sua vez, mostrou uma queda da rejeição de Lula, que passou de 33% para 29%. No caso de Alckmin, esse indicador subiu um ponto, para 17%.De qualquer forma, Berzoini insistiu que este é o cenário ainda poderá mudar em levantamentos futuros. "Se eu for alterar meu humor, meu comportamento por essa pesquisa, amanhã sai uma outra e mostra algo completamente diferente", explicou o deputado. Segundo ele, a realização de pesquisas eleitorais no atual momento é apenas "um bom indicador de humores".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.