CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO
CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO

"E alguém tinha expectativa diferente?", afirma Cunha, sobre Datafolha

Presidente da Câmara explicou que resultado da reprovação da presidente já foi mostrado nas ruas no último domingo

DAIENE CARDOSO, O Estado de S. Paulo

18 de março de 2015 | 14h13

Brasília - O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta quarta-feira, 18, que a queda da popularidade da presidente Dilma Rousseff é apenas a comprovação do que as manifestações do último domingo já anunciavam. Segundo o Instituto Datafolha, a avaliação ruim ou péssima do governo Dilma subiu de 44% para 62% após os protestos.

"E alguém tinha uma expectativa diferente do Datafolha? A rua já mostrou isso no domingo", comentou o peemedebista. Para Cunha, o momento agora é de observar como o governo reagirá para recuperar o apoio popular e dar tempo para essa recuperação. "Não espere que o governo ficará sem mobilidade. Ele tem necessariamente todo um processo político de um mandato inteiro para ser cumprido. O governo não vai ficar parado chorando", avaliou.

O presidente da Câmara disse que a Casa não impedirá que o governo participe do processo legislativo e que todo proposta do Executivo será votada. "Todos (os projetos) serão apreciados, mas a Casa também terá sua pauta independente da pauta que o governo está propondo", ressaltou.

O peemedebista lembrou que a insatisfação contra o governo já existia de longa data na Câmara e citou como exemplo negativo a forma como o Palácio do Planalto encaminhou a proposta de ajuste fiscal. "Vamos ver agora, dar um tempo para que o governo recupere seu processo político e recupere a forma de fazer política perante a Casa", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
DILMA RousseffDATAFOLHAEDUARDO CUNHA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.