Dutra foi o primeiro presidente a proibir jogos de azar

O primeiro presidente da Repúbica a proibir os jogos de azar foi o general Eurico Gaspar Dutra. Em abril de 1946, com a assinatura de um decreto, ele proibiu os jogos de azar em todo o País e determinou o fechamento dos cassinos. Na época, havia muitos em funcionamento na capital federal, o Rio de Janeiro, frequentados pela elite, inclusive pelo ex-presidente Getúlio Vargas, que teve Dutra como sucessor. Estas foram apenas duas medidas que demonstraram o caráter conservador e anti-Getúlio, de acordo com a biografia do ex-presidente do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC), da Fundação Getúlio Vargas. Quando proibiu os jogos dentre uma série de outras medidas decididas na mesma época, Dutra ignorou os trabalhos de uma Assembléia Nacional Constituinte que estava em curso e que teria poderes para legislar sobre o assunto. Ao fechar os cassinos, Dutra estaria atendendo também a um pedido de sua mulher, Dona Santinha (Carmela Leite Dutra), que como católica devota, ligada à ala mais conservadora da Igreja, não tolerava as casas de jogos, que também apresentavam espetáculos com as famosas "vedetes" do teatro de revista. Na verdade, se o pedido foi verdadeiro, os livros de história não confirmam, mas a especulação entrou para o folclore político brasileiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.