Dulci defende que PT deve ampliar o leque de alianças

O secretário-geral da presidência, ministro Luiz Dulci, se posicionou hoje a favor de uma coligação partidária no PT mais ampla para as próximas eleições e não apenas com os partidos que integram tradicionalmente a base aliada petista. "A opção de ser só PSB e PCdoB eu acho muito restrita", afirmou Dulci, que chegou ao Encontro Nacional do PT, na capital paulista. "Acho que tem que ser mais amplo do que isso". De acordo com o ministro, a idéia de manter apenas esses dois partidos na coligação partidária nesta eleição seria restringir as alianças de um governo de centro-esquerda a uma aliança exclusivamente de esquerda.MensaleirosDulci aproveitou para comentar a presença de acusados de envolvimento no mensalão no encontro de hoje, como é o caso do ex-ministro e ex-deputado José Dirceu. "Eles estão exercendo um direito que a democracia dá a eles", disse. "E isso vale para qualquer partido, e em qualquer circunstância", acrescentou.Além disso, Dulci engrossou o coro dos que defendeu que o partido não deve apressar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva a se pronunciar oficialmente sobre a questão da reeleição. Questionado sobre se o adiamento do anuncio não representaria uma estratégia para burlar a lei e fazer campanha antes da data permitida, Dulci retrucou: "pelo contrário, é uma forma de cumprir a lei". O secretário-geral do Partido dos Trabalhadores, Raul Pont, afirmou que concorda com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na defesa de ampliar o leque de alianças para essas eleições presidenciais. "Além dos parceiros tradicionais, é fundamental ampliar o leque de alianças. Este é o foco do presidente Lula, e é a reafirmação do que estamos propondo neste encontro", argumentou.Pont disse que o candidato da legenda é mesmo o presidente Lula. "Mas o momento dele assumir a candidatura (à reeleição) vai depender dos prazos da legislação eleitoral", disse. Muitos militantes que estão participando do 13º encontro da legenda estão usando uma camiseta com os dizeres: "Lula é o nosso presidente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.