Duda Mendonça afirma desconhecer empresa que a polícia diz ser dele

Publicitário negou irregularidades na prestação de serviços ao governador da Paraíba

Fausto Macedo , O Estado de S. Paulo

01 de agosto de 2013 | 23h23

Duda Mendonça surpreendeu a Polícia Federal ao negar, em depoimento no inquérito da Operação Logoff, vínculo com a Mkpol Marketing Político - empresa que a PF sustenta oficialmente ter sido operada por um executivo do publicitário para fazer a campanha eleitoral do governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), em 2010. Duda foi ouvido "em declarações" na segunda-feira passada, na superintendência regional da PF em Salvador. Nesse ato ele não foi indiciado.

Ele também negou conhecer personagem importante do caso, Samuel Vieira Martins da Silva, que a PF afirma ser "motoboy funcionário" do publicitário e responsável pela entrega de dinheiro, R$ 104,7 mil ao todo, em nome de uma empresa fantasma - Brickell Internet e Processamento de Dados -, a profissionais recrutados na campanha de Coutinho.

A investigação suspeita que o dinheiro para cobrir as despesas eleitorais tenha sido desviado de um contrato superfaturado entre a Prefeitura de João Pessoa e a empresa Ideia Digital para o programa Jampa Digital - instalação de internet gratuita para a população carente.

O desvio teria somado R$ 1,66 milhão, segundo laudo pericial da PF. Parte desse valor, R$ 800 mil, passou pela Brickell.

Duda afirmou que fez apenas "consultoria" - criação, slogan, música e cartazes - para o pessebista por meio da empresa JECM (iniciais de seu nome). Ele afirmou ter cobrado R$ 500 mil, valor faturado em nota pelo comitê de campanha do governador da Paraíba.

A PF argumenta que o executivo José Eugênio de Jesus Neto, ligado a Duda, figura como procurador da empresa de fachada Brickell. Em seu relato, o publicitário declarou que Neto é prestador de serviço contratado "atuando somente na empresa Duda Mendonça e Associados Propaganda na área financeira e administrativa".

Ele assegurou que "não é sócio" da Mkpol e "não associa este nome a nenhum publicitário que conheça". Afirmou que "desconhece" que a Mkpol pagava seus funcionários.

Indagado sobre seus antecedentes, Duda fez alusão ao processo do mensalão, no qual foi réu e acabou inocentado. Ele disse que "já foi indiciado e processado, mas não preso, tendo sido absolvido pelo Supremo Tribunal Federal".

Apesar da reiterada negativa de Duda, a PF e o Ministério Púbico Federal estão convencidos de seu envolvimento em "sonegação e lavagem de ativos". A PF descobriu que a Mkpol faz uso de um endereço eletrônico que leva o nome do publicitário, "muito sugestivo da pessoa que realmente a controla".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.