Duda Mendonça acha que é "vítima política"

O ex marqueteiro do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o publicitário Duda Mendonça disse nesta quinta-feira estar sendo uma "vítima política" da disputa entre os grupos que almejam deter o poder no Brasil. Ele depôs durante cinco horas na sede da Superintendência Regional da Polícia Federal para o delegado Pedro Ribeiro, que integra a equipe da PF responsável pela apuração do chamado escândalo do mensalão. "O Brasil inteiro já percebeu que estão me transformando numa vítima política num ano eleitoral e eu confio na justiça brasileira, que na hora da apuração dos verdadeiros fatos e das provas, as coisas vão ficar muito claras", comentou.Ele deu essas declarações numa rápida entrevista na saída da seda da PF por volta das 14h50. Estava em companhia da sócia Zilmar Fernandes e do advogado Hélio Santana. Apesar de querer escapar dos repórteres, Duda aparentava tranqüilidade e manteve um certo bom humor com o assédio da imprensa. Ele disse ter confirmado todas as informações dadas nos dois depoimentos dados em agosto e setembro do ano passado na PF e negou "as falsas acusações que estão tentando imputar à minha pessoa" principalmente as relacionadas com contas no exterior que ele voltou a negar veementemente ser titular.A única conta no exterior que Duda reconhece é a Dussedorf, que revelou no seu depoimento à CPI dos Bingos e que teria movimentado R$ 15,5 milhões dinheiro, repassado na campanha do PT de 2002, pelo publicitário Marcos Valério. Logo depois de revelar a existência da conta, ele afirmou que a fechou após pagar pouco mais de R$ 4 milhões de sonegação ao Imposto de Renda. Indagado sobre a viagem dos três integrantes da CPI que estão nos Estados Unidos para investigar outras supostas contas dele, Duda foi sucinto: "Só quem pode responder são os deputados". Ele fez questão de passar a idéia de "vitima" de todo um processo político cujos candidatos de vários partidos ajudou a eleger nos últimos anos. "Todo mundo está vendo, eu não sou político, sou publicitário, fiz o meu trabalho, por que isso? A quem interessa isso? Eu não sei".O delegado Ribeiro explicou que Duda foi chamado para prestar novos esclarecimentos e confirmou as declarações anteriores, respondendo as perguntas e dúvidas, as quais o policial se recusou a revelar. "O conteúdo da investigação, os dados são sigilosos, em virtude do segredo de Justiça dos inquéritos que a gente apura esses casos", disse. O delegado só confirmou que as informações dadas pelo publicitário são as conhecidas e divulgadas pela imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.