Duda fará campanha em 5 capitais a pedido do governo

O marqueteiro Duda Mendonça disse hoje que o "governo federal" lhe pediu para "fazer todas as campanhas do PT", tendo ele assumido as de cinco capitais - Curitiba, São Paulo, Belo Horizonte, Recife e Goiânia. Indagado se quem fez o pedido foi o governo federal e não o PT e se os dois se confundiam (governo e partido) ele remendou: "não é que se confundem, mas tem um momento que as pessoas não entendem". Ele disse que o presidente é do PT, mas é presidente do Brasil e que, o PT é um partido que apóia o presidente, mas não é chapa branca. "O PT tem o direito de discordar do presidente, e deve", acrescentou. "O partido não tem dono nem cacique". Mendonça citou a prefeitura de São Paulo para exemplificar as dificuldades que todas as prefeituras do Brasil atravessam e afirmou que em toda campanha de reeleição, o candidato tem que prestar contas do que fez, até porque, segundo ele "toda reeleição é antes um plebiscito", onde está em jogo - neste caso - o trabalho do prefeito. Considerou natural o desgaste de quem ocupa um cargo público e não faz tudo o que gostaria, mas considerou que esse desgaste muda durante a campanha. Duda disse que a rejeição a um candidato é medida como se mede a área de um apartamento - tem vários modos de avaliar - e que isso também muda com a campanha. Disse ser "radicalmente a favor" da idéia do prefeito do Recife, João Paulo (PT), com quem conversou antes da entrevista, de estar preocupado em fazer uma campanha de proposta e não em atacar os concorrentes. "Já passei por alguns lugares onde apanhei muito e ganhei todas", disse defendendo a tese de que "quem bate, perde". "Ele fez o que ninguém fez. E vai fazer muito mais" será o mote da campanha do prefeito do Recife.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.