DRT-SP vai acirrar fiscalização, garante o novo delegado

A Delegacia Regional do Trabalho (DRT) de São Paulo vai acirrar a fiscalização em setores de atividade que costumam manter grandesquantidades de empregados sem registro em carteira profissional, como a construçãocivil, e ao mesmo tempo criar métodos de fiscalização para coibir ao máximo o trabalhoinfantil.A diretriz foi anunciada nesta sexta-feira, logo depois de tomar posse, pelo novo delegado do Trabalho, o sindicalista egresso da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT, Heiguiberto Della Bella Navarro, o Guiba. Para aumentar a fiscalização, a DRT deverá reforçar o quadro de pouco mais de 300fiscais que mantém hoje. O reforço foi anunciado pelo secretário de Políticas Públicasdo Ministério Trabalho, Remígio Todeschini, que acompanhou a cerimônia da posse deGuiba, como representante do ministro do Trabalho, Jacques Wagner.Todeschini antecipou que, até 30 de abril, o Ministério deve divulgar edital paracontratação de 644 novos auditores fiscais no Brasil. "Com certeza, parte destecontingente virá para São Paulo", antecipou o secretário. Hoje, 10% dos 3.050 fiscais dotrabalho em atividade no Brasil estão em São Paulo. De acordo com Guiba, o reforço da fiscalização será uma das armas para combater o desemprego no Estado. "O objetivo é acabar com o trabalho infantil e reduzir ao máximo os trabalhadores sem registro na carteira profissional", garantiu Guiba. O novo delegado antecipou também que já pediu ao Ministério do Trabalho que a DRT-SP volte a ter o papel de fiscalizar os recursos oriundos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). "Na gestão passada, a DRT perdeu esta atribuição. Há uma grande quantidade de recursos do FAT voltados para o aumento do emprego. É indispensávelque nós tenhamos este papel fiscalizador", disse Guiba. Guiba afirmou que a DRT-SP sofreu um esvaziamento nos últimos anos. "Apesar do crescimento do mercado em que ela deveria atuar, a delegacia teve uma redução de 1.800 para pouco mais de mil funcionários", disse ele.Durante sua gestão, Guiba pretende criar um conselho integrado por sindicalistas,representantes de entidades empresariais e de advogados, para acompanhar a atuação da DRT. "Trabalharemos coletivamente, com a participação de empresários e trabalhadores", disse ele. A cerimônia da posse de Guiba, preparada para receber 400 pessoas, foi acompanhada por mais de 1.200 pessoas, que tornaram intransitável o saguão do prédio da delegacia, no centro da capital. A fila de cumprimentos arrastou-se por mais de uma hora e reuniu representantes dos movimentos sindicais e das principaisentidades empresariais paulistas, além de políticos e militantes partidários. "Agora eusei porque o Lula (presidente Luiz Inácio Lula da Silva) tem bursite no braço", ironizouGuiba no final.Veja o índice de notícias sobre o Governo Lula-Os primeiros 100 dias e os ministérios

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.