Drogas e álcool: empresas investem mais em tratamento

De um lado, há a questão humanitária. De outro, os prejuízos causados principalmente pela queda de produtividade. Mas, em vez de resolver o problema com demissões, um número cada vez maior de empresas preocupa-se com o tratamento de funcionários dependentes de álcool e drogas. Hoje, representantes de 60 grandes companhias reúnem-se em São Paulo para discutir o tema no 4.º Encontro de Empresas com Programas de Dependência Química. Leia mais no Estadão

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.