Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Doze senadores votaram antes de Renan Calheiros retirar candidatura

Representantes de São Paulo, Bahia e Rio de Janeiro já haviam votado

Camila Turtelli, Mariana Haubert, Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2019 | 21h03

BRASÍLIA, 2/02/2019 – Doze senadores haviam votado antes de Renan Calheiros (MDB-AL) retirar sua candidatura para a Presidência do Senado, na segunda tentativa da Casa definir seu comando neste sábado.

A segunda votação começou por volta das 17h30. A senadora Mara Gabrilli (PSBD-SP) foi a primeira a votar. Na sequência, foram chamados os parlamentares por ordem de criação dos Estados. Os três representantes da Bahia votaram, depois, os três do Rio de Janeiro. Entre os fluminenses, o senador Flávio Bolsonaro (PSL) usou a tribuna para declarar seu apoio a Davi Alcolumbre (DEM-AL). Na primeira votação do dia, Flávio não declarou voto e usou o Twitter para justificar que, por ser filho do presidente, tinha escolhido por não declarar.

Os três senadores do Maranhão foram os próximos. Entre eles, o senador Roberto Rocha, líder do PSDB afirmou na tribuna que toda a bancada tucana iria abrir o voto. A Mesa chamou então os três representantes do Pará. No entanto, o senador Jader Barbalho (MDB) não compareceu à tribuna.  Os outros dois senadores do Pará votaram.

Neste momento, 12 senadores tinham votado. Antes da mesa chamar o próximo Estado, que seria Pernambuco, Calheiros foi ao microfone declarar que retirava sua candidatura.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.