Doutor Atkins "era obeso e tinha problemas cardíacos"

O debate sobre a popular dieta do doutor Robert Atkins esquentou ainda mais depois que a imprensa publicou reportagens segundo as quais o médico era clinicamente obeso e sofria de problemas cardíacos, segundo detalhes do relatório de um investigador vazado terça-feira. De acordo com o jornal britânico The Times, o relatório, entregue por engano pelo principal inspetor médico de Nova York a uma pessoa que o passou para um grupo anti-Atkins, afirmou que Robert Atkins tinha um histórico de ataque cardíaco, insuficiência cardíaca congestiva e hipertensão. Com 1,83 m de altura, o guru da dieta pesava 116 kg na época de sua morte, em abril do ano passado, informa o relatório citado pelo diário. Isto deixou Atkins não meramente acima do peso, mas obeso, segundo o cálculo do índice de massa corporal do governo dos EUA. Para ter peso "normal", ele deveria estar com menos de 84 kg. De acordo com o Times, críticos alegaram terça-feira que os problemas cardíacos de Atkins podem ser atribuídos, pelo menos em parte, ao alto índice de gordura de sua polêmica dieta. Mas sua viúva, irritada, rejeitou a alegação e pediu respeito à privacidade. Ao longo de sua vida, Atkins aderiu ao regime rico em proteínas e com poucos carboidratos que recomendou aos outros como uma resposta à epidemia de obesidade nos EUA. Enquanto milhões têm seguido seu conselho, preferindo por exemplo carne e queijo, outros têm criticado duramente a dieta, afirmando que a ênfase na gordura e na proteína não é saudável. O relatório do inspetor médico citado pela imprensa foi divulgado pelo Conselho dos Médicos para a Medicina Responsável, que prefere uma dieta vegetariana e é denunciado pelos simpatizantes de Atkins como um grupo de "vegetarianos radicais e ativistas pró-direitos dos animais". O documento, segundo o Times, confirma que Atkins morreu por "um ferimento na cabeça causado por um impacto brusco" depois de escorregar no gelo diante de seu escritório em Manhattan. Ele tinha 72 anos. Mas o relatório também contém comentários escritos a mão dizendo que ele tinha um histórico de "MI", sigla em inglês para enfarto do miocárdio (o termo médico para ataque cardíaco), "CHF", ou insuficiência cardíaca congestiva, e hipertensão. Defensores da dieta argumentam que Atkins engordou muito devido à retenção de líquido durante os oito dias em que ficou em coma antes de morrer em abril do ano passado. "Pacientes em estado grave, quando mantidos com fluidos no hospital, ganham peso", disse o doutor Stuart Trager, presidente do Conselho Físico Atkins. Também de acordo com o jornal, a revoltada viúva, Veronica, denunciou a divulgação dos registros como um esforço "para distorcer e perverter a verdade numa tentativa de destruir a reputação e a grande obra de meu falecido marido".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.