Dossiê com gastos detalhados de FHC saiu pronto do Planalto

Arquivo da Casa Civil complica versão de que informações teriam saído de 'banco de dados' aleatório, diz jornal

da Redação,

04 de abril de 2008 | 09h04

Uma cópia de arquivo da Casa Civil complica a versão de que o governo tenha feito um "banco de dados" aleatório sobre os gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e sua mulher Ruth Cardoso entre 1998 e 2002, segundo revela o jornal Folha de S. Paulo nesta sexta-feira, 4.   Veja Também:   Para 'Economist', Dilma pode ser 'bode na sala' para 2010 Álvaro Dias diz que tudo foi 'armado' Dossiê com dados do ex-presidente FHC  Entenda a crise dos cartões corporativos  Forúm: Quem ganha e quem perde com a CPI? Casa Civil faz 'caça às bruxas' para achar 'espião' do dossiê Oposição vai questionar Dilma sobre dossiê contra FHC em comissão Garibaldi lerá pedido que cria CPI no Senado    A reportagem obteve um conjunto de planilhas em Excel, com 27 páginas no total, e afirma que a organização de dados seguiu uma "lógica política". O documento teria sido criado em 11 de fevereiro, antes da criação da CPI dos Cartões, porém no auge das denúncias de irregularidades no uso dos cartões por parte da Presidência e de ministros do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.   As planilhas com as despesas também foram divididas também por nomes, como mostra o jornal: Ruth Cardoso; de dois dos ministros à época, Eduardo Jorge (Secretaria Geral da Presidência) e Clóvis Carvalho (Casa Civil e Desenvolvimento); do senador tucano Arthur Virgílio (Secretaria Geral da Presidência); e da chef de cozinha Roberta Sudbrack.   O Estado de S. Paulo revelou, em 19 de fevereiro, que o Planalto preparava um dossiê sobre os gastos da gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para distribuir a aliados assim que seja instalada a CPI dos Cartões. Um mês depois, reportagem da revista Veja mostrou detalhes do documento, com gastos pessoais do ex-presidente e da ex-primeira-dama Ruth Cardoso entre 1998 e 2001.      

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma Rousseffdossiê FHC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.