Dornelles se nega a comentar CLT

O ministro do Trabalho e Emprego, Francisco Dornelles, se recusou a comentar os problemas ocorrido hoje no Congresso Nacional durante apresentação do projeto de reformulação da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). "Não tenho detalhes sobre o que aconteceu. O que posso dizer é que o governo enviou o projeto para a Câmara com o objetivo de garantir a manutenção dos postos de trabalho e reduzir a informalidade no emprego", afirmou.O ministro citou a crise enfrentada pela Volkswagen para exemplificar a necessidade de mudança da CLT. "Hoje, de 3,5 mil a 4 mil empregos correm risco na Volkswagen porque o sindicato não tem condições de aprofundar as negociações", afirmou.Segundo Dornelles, a reformulação da CLT facilitará as negociações para transferência de trabalhadores entre diferentes segmentos da cadeia produtiva. "Se há demissões nas indústrias, o setor de serviços e turismo têm crescido. Não podemos deixar que esses trabalhadores sejam informais", sustentou.Dornelles disse ainda que em que pese o fato de haver divergências sobre a mudança da CLT, o Congresso deverá apreciar o tema no menor prazo possível, sinalizando que o projeto deverá ser votado no máximo durante a convocação extraordinária do fim do ano. "Como a base governista é a maioria, acredito que o projeto será aprovado", observou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.