Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Doria se reúne com Aloysio para definir destino de ex-chanceler no governo

Ex-ministro das Relações Exteriores de Michel Temer, Aloysio Nunes é presidente da Agência Paulista de Promoção de Investimento e Competitividade

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2019 | 14h38

O ex-senador e ex-chanceler do governo Michel Temer, Aloysio Nunes (PSDB), terá uma reunião nessa terça-feira, 19, com o governador João Doria (PSDB) para definir seu futuro na administração tucana, onde ocupa atualmente o cargo de presidente da Investe São Paulo (Agência Paulista de Promoção de Investimento e Competitividade).

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira, 19, a Operação Ad Infinitum, fase 60 da Lava Jato, e cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Aloysio, entre eles o apartamento onde ex-chanceler mora, em Higienópolis. 

Doria só vai se manifestar depois da reunião, mas auxiliares e aliados do governador acreditam que ele deve aplicar a mesma solução do caso Gilberto Kassab, que pediu licença do cargo para se defender de acusações de corrupção no caso JBS. A avaliação reservada no entorno de Doria e na cúpula do PSDB é que as acusações são graves.

A Força Tarefa da Lava Jato recebeu documentos da Suíça mostrando que um cartão de crédito vinculado a uma conta de Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Dersa na gestão José Serra (PSDB), foi enviado para Aloysio Nunes em um hotel na Espanha em 2007, quando o ex-chanceler era chefe da Casa Civil do governo Paulista.

Até agora o PSDB não divulgou nenhum comunicado ou nota de apoio a Aloysio, que também não recebeu a solidariedade de aliados nas redes sociais. Os tucanos paulistas querem evitar que o caso de Paulo Vieira volte para o Palácio dos Bandeirantes e contamine o governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.