Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Doria rebate Maia e diz que Alckmin sairá vitorioso nas eleições

Sobre sua possível disputa ao governo, o prefeito de São Paulo afirma que 'ainda não há definição'

Carla Araújo e Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

07 Março 2018 | 14h45

BRASÍLIA - Depois de classificar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), como "bastante otimista", o prefeito de São Paulo, João Doria, rebateu as declarações do pré-candidato à presidência pelo DEM e disse acreditar na vitória do tucano Geraldo Alckmin à sucessão de Michel Temer. "Estou dedicado ao Alckmin e sua campanha e tenho certeza que ele cumprirá bem esse papel, disputará o segundo turno e será eleito presidente da República", disse Doria, afirmando que sobre sua possível disputa ao governo "ainda não há definição".

Mais cedo, em entrevista à Rádio Eldorado, Maia disse que a rejeição da sociedade ao PSDB, de acordo com recentes pesquisas, prejudica a imagem do pré-candidato tucano. "Ele é um bom governador. Mas a rejeição do PSDB é hoje maior que a do PT, e isso está contaminando a imagem dele (do pré-candidato tucano)", disse. O deputado do DEM, que lança nesta quinta-feira, 8, a sua pré-candidatura à Presidência da República na convenção nacional do DEM em Brasília, disse ainda que o Brasil vive, hoje, o fim de um longo ciclo político de polarização entre PT e o PSDB e que a população vai procurar uma alternativa nessa eleição. "Tenho muitas dúvidas sobre a vitória do PSDB nas eleições", disse.

+++ Maia confirma pré-candidatura à Presidência

Para Doria, ainda é cedo para fazer avaliações sobre o resultado eleitoral. "Eu respeito muito o Rodrigo Maia, presidente da Câmara, estávamos juntos agora na reunião, mas é muito cedo para fazer prognóstico, nem mesmo as pesquisas conseguem identificar isso com clareza. Portanto, otimismo é sempre bom e Maia demonstra ser bastante otimista, mas a realidade se confere nas urnas", destacou, após reunião com Temer e outros prefeitos para tratar de segurança, no Palácio do Planalto. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.