WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO
WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO

Doria promete reduzir secretarias e fazer governo 'mais enxuto e focado'

Tucano falou em diminuir custos de comissão e dar um novo desenho institucional à gestão

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

05 Novembro 2018 | 13h38

Ao anunciar Gilberto Kassab (PSD) para a Casa Civil e seu vice, Rodrigo Garcia (DEM), para a articulação de governo, o governador eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), prometeu reduzir secretarias e fazer um governo "mais enxuto e focado". Em coletiva de imprensa, o tucano falou em diminuir custos de comissão e dar um novo desenho institucional à gestão. Uma das pastas a serem criadas, de acordo com Kassab, é a Secretaria do Interior.

Réu em uma ação por improbidade administrativa e acusado de ter recebido R$ 21 milhões via caixa dois na campanha à Prefeitura de São Paulo em 2008, Kassab disse que as acusações contra ele são "infundadas" e foi defendido por Doria. "Não há juízo final (sobre Kassab). Não gera nenhum tipo de problema. Ele foi um apoiador de nossa candidatura desse a primeira hora", afirmou o governador eleito.

Rodrigo Garcia, por sua vez, passará a fazer a articulação de governo, mas Doria disse que a pasta será extinta. Segundo Garcia, a extinção está sendo analisada juridicamente. O vice eleito afirmou ter conversado com o atual governador, Márcio França (PSB), derrotado na disputa estadual, e disse que a primeira reunião de transição pode ocorrer entre hoje e amanhã. 

A coletiva contou com uma "plateia" de aliados. Estavam o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Cauê Macris (PSDB), além dos deputados estaduais paulistas Marco Vinholi (PSDB), Delegado Olim (PP) e Fernando Capez (PSDB) e do deputado federal Vanderlei Macris (PSDB). 

Apoio. Atual ministro das Comunicações e presidente licenciado do PSD, Kassab ressaltou o apoio do partido ao governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro. "Estou entre os brasileiros que torcem para esse governo dê certo. Em tudo que estiver ao nosso alcance, vamos dar apoio", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.