Reprodução
Reprodução

Doria reclama de ‘tapetão’ nas prévias do PSDB e diretórios reagem: ‘antiético é fabricar eleitor’

Comissão interna do partido deve decidir amanhã se aceita inscrição de 92 prefeitos e vices registrados em SP; diretórios aliados de Leite acusam dirigentes da sigla em São Paulo de adulterar datas de filiação

Pedro Venceslau, enviado a Dubai

27 de outubro de 2021 | 10h10
Atualizado 27 de outubro de 2021 | 22h10

Em campanha nas prévias que definirão o candidato do PSDB à Presidência, o governador João Doria se manifestou nesta quarta-feira, 27, pela primeira vez, sobre as acusações de aliados do governador Eduardo Leite (RS) de fraude na filiação de 92 prefeitos e vices em São Paulo. Doria negou que tenha havido irregularidades e defendeu a manutenção dos correligionários como eleitores. “Eleição não se ganha no grito, mas no voto. Eu aprendi a respeitar a democracia. Por que ter medo do voto? Não há razão para ter medo do voto”, afirmou o governador, numa crítica indireta a Leite. 

Segundo ele, não houve falha no processo de filiação e registro. “Não se pode culpar aquilo que não há falha e, principalmente, querer criar uma mancha em um processo democrático tão bem conduzido pelo presidente do PSDB, Bruno Araújo.”

O governador está em Dubai, onde participa da semana São Paulo na Expo 2020. Bruno Araújo, presidente nacional do partido, faz parte da comitiva do chefe do Executivo paulista. Araújo anunciou hoje que o assunto será decidido pela comissão das prévias nesta quinta-feira, 28. 

Poucas horas após as declarações duras de Doria, os diretórios de Minas Gerais, Ceará, Rio Grande do Sul e Bahia, que protocolaram a denúncia, divulgaram uma nota conjunta rebatendo o governador. “Se há algo que seja antidemocrático e antiético é fabricar eleitores depois de iniciado o certame, prática lamentável e repudiável”, diz o texto.

Os diretórios contestaram junto ao comando nacional da legenda as filiações de dezenas de prefeitos paulistas, que teriam sido feitas depois do prazo final de 31 de maio para a habilitação de eleitores nas prévias. Os autores da denúncia são todos ligados e Leite, principal rival do paulista nas prévias, que têm ainda o ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, como candidato.

“Dizer que o objetivo da representação é querer ganhar no grito é argumentar com a mesma fragilidade de outros argumentos já levantados para defender o indefensável”, afirma a nota. 

A votação nas prévias, em 21 de novembro, será indireta, com um colégio eleitoral que dá pesos diferentes a prefeitos, vices, filiados, governadores e parlamentares.

“Nunca contestei prévias ou fiz acusações contra os candidatos que disputaram prévias comigo. Prévia é assim, é disputar o voto, não é tapetão, não é fake news ou informações que depois são desmentidas por diretórios.” 

Em São Paulo, o presidente do diretório paulista do PSDB, Marco Vinholi, classificou como “absurda” a acusação de fraude nas inscrições de São Paulo para as prévias.  “Aqueles que fizeram a denúncia não têm conhecimento sobre a vida partidária do nosso Estado”, afirmou Vinholi

No momento em que o PSDB vive um acirramento nas prévias presidenciais do partido, o presidente nacional da sigla, Bruno Araújo, classificou como “sensíveis” as denúncias feitas por aliados Leite, “Não tenho como me posicionar, já que estou numa posição de julgador. Mas o assunto é sensível e merece um grau de atenção relevante”, disse o dirigente.

Araújo viajou a Dubai na comitiva da InvestSP, o braço de investimento do governo paulista. Segundo Doria, porém, os dois não falaram sobre o assunto. /COLABOROU DAVI MEDEIROS

*O repórter viajou a convite da InvestSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.