Doria lamenta saída de Mario Covas Neto do PSDB

Prefeito de São Paulo e possível candidato ao governo do Estado aproveitou para 'minimizar' preferência do eleitorado paulista por Jair Bolsonaro

Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

28 Fevereiro 2018 | 16h36

O prefeito de São Paulo, João Doria, lamentou o anúncio de que o vereador Mario Covas Neto vai deixar o PSDB. Após evento realizado na sede da Prefeitura nesta quarta-feira, o tucano disse, no entanto, que o filho do ex-governador Mario Covas, um dos ícones do partido, tem o direito de buscar "sua área de voo" mais adequada.

"Mario Covas Neto tem tradição e história além do sobrenome do pai, assim como um mandato de vereador. Gostaria que ele se mantivesse dentro do PSDB, mas respeito muito sua decisão de deixar o partido", disse o prefeito da capital. "Não se pode limitar o desejo das pessoas de buscar sua área de voo, sua atmosfera mais adequada". Doria acrescentou ainda que torce para que "Zuzinha", como é conhecido o filho do ex-governador Mario Covas, seja bem sucedido em sua nova empreitada.

Descontente, entre outras coisas, com a candidatura de Doria à sucessão de Geraldo Alckmin, Covas Neto anunciou para amanhã um evento em que explicará as razões de sua desfiliação. Ele ainda não anunciou para qual legenda pretende migrar.

Eleição. Questionado sobre pesquisas que mostraram Alckmin empatando com o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) na preferência dos eleitores paulistas para a disputa presidencial, Doria afirmou que o resultado é apenas uma "foto" do momento e que ainda é cedo para avaliar o quadro no Estado.

"Bolsonaro vem ao longo dos últimos meses fazendo campanha, já o governador Alckmin anunciou sua candidatura faz apenas um mês. É natural que Bolsonaro tenha essa projeção ", minimizou.

Doria também comentou outro levantamento, mostrando ele está à frente dos demais candidatos em todos os cenários na disputa pelo Palácio dos Bandeirantes. "É cedo ainda, temos o mês de março para a tomada de decisões e o PSDB saberá quem será seu candidato ao governo do Estado", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.