Reprodução
Reprodução

Doria fica de fora do programa nacional do PSDB

Vídeo de 10 minutos fala em 'reconstrução da política' com o ex-presidente FHC dizendo que é preciso 'aprender com os erros'

Adriana Ferraz e Erich Decat, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2017 | 18h05

Cotado para disputar a vaga do PSDB na corrida presidencial de 2018, o prefeito João Doria ficou fora do programa nacional do partido, que será veiculado às 20h desta quinta-feira, 11, em emissoras de TV e rádio de todo o País. A cúpula nacional do PSDB optou por defender, no vídeo, a importância da prática política para a democracia, na contramão do discurso adotado por Doria, do "não político" e do "gestor". Em função dessa escolha, não apenas o prefeito da capital, mas também o prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan, não ganhou espaço. 

No vídeo, lideranças jovens da legenda se revezam com falas sobre a criação de uma “nova política”. As declarações ocorrem após um grupo de cidadãos apresentar, dentro de uma dinâmica de debate, uma série de queixas ao sistema atual. Entre os problemas apontados pelos personagens, no programa, está o excesso de partidos, foro privilegiado e privilégios. “Se você falar da política do jeito que ela é hoje, nós teríamos que implodir toda a política e renascer”, afirma um deles.

De São Paulo, o programa incluiu os prefeitos de Lins, Edgar de Souza, e de Santo André, Paulo Serra, além da vereadora de Piracicaba, Nancy Thame. O debate traz também os prefeitos de Caruaru (PE), Raquel Lyra, e de Castro Alves (BA), Thiancle da Silva Araújo, e uma vereadora em Rondônia, Naiara Saraiva Silva, de Campo Novo.

'Reconstruir a política'. “Ás vezes ouvir críticas como essas pode ser difícil, mas esse é o primeiro passo, na verdade o único passo para podermos melhorar de verdade a política. A partir de agora vamos promover encontros como esse por todo o País, para ouvir você e junto com você encontrar soluções para melhorar a política, mas principalmente para melhorar a sua vida. Esse é nosso grande desafio”, afirma o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), no vídeo.

“ O primeiro passo é preciso reconstruir a política brasileira e para reconstruir é preciso resgatar alguns valores e princípios”, defende o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Além dos dois, também participa do programa o governador Geraldo Alckmin, que considera que a maior contribuição é “fazer o que as pessoas estão pedindo”.

Na manhã desta quinta, durante inauguração de um centro oncológico na cidade de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, Alckmin confirmou que gravou uma participação curta no programa, mas que não sabia se iria ou não ao ar. O governador estava acompanhado pelo senador José Aníbal, que assumiu a vaga de Aloysio Nunes, atual ministro de Relações Exteriores do governo Temer, e criticou o discurso do "não político". "Isso é um absurdo, é trabalhar contra a democraria", disse, sem criticar diretamente Doria ou qualquer outro "não politico".

'Tempo'. Doria disse não estar incomodado em não aparecer na propaganda televisiva dos tucanos. "Não, nenhum (incômodo). Eu não tenho a obrigação, nem a síntese de ter que estar presente na propaganda partidária do PSDB: tudo a seu tempo", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.