Perfil Facebook de João Doria
Perfil Facebook de João Doria

Doria diz que melhor seria 'enterrar o mito Lula' nas urnas

Na Suíça, prefeito de São Paulo defende tese de derrota do ex-presidente pela via eleitoral e não judicial

Célia Froufe, enviada especial, O Estado de S.Paulo

23 Janeiro 2018 | 12h22

DAVOS - Quarta-feira, 24, será um dia que trará mudanças na história política recente do País, afirmou o prefeito da cidade de São Paulo, João Doria, referindo-se ao julgamento do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ele é um dos que também acreditam que, em termos políticos, seria melhor que o petista concorresse à eleição de 2018 para que sua saída do cenário seja por meio dos votos.

+++Lula faz seu apelo derradeiro ao Tribunal da Lava Jato

"Compartilho dessa corrente. Acredito na condenação e na punição do presidente Lula, mas, politicamente, o ideal seria ele ser candidato e derrotá-lo nas eleições de outubro para enterrarmos o mito Lula e aprisionarmos o Luiz Inácio", declarou.

A condenação, na visão do prefeito, impõe uma "marca dura" ao ex-presidente Lula e ao PT. "Um partido já criminalizado, com seis processos, ter uma condenação de forma mais clara, terá mais dificuldade em fazer um discurso de salvação do Brasil, de éticas, de princípios e de gestão. Creio que o ex-presidente Lula vai seguir sua candidatura, vai usar dos subterfúgios que a legislatura brasileira confere", disse.

+++ Dos 77 condenados por Moro, Tribunal da Lava Jato só absolveu 5

O prefeito falou com jornalistas ao chegar para o almoço do Itaú em Davos, onde participa pela primeira vez do Fórum Econômico Mundial. O principal palestrante do evento foi o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, potencial candidato a presidente, assim como o prefeito, que negou a possibilidade. "Não, eu venho como prefeito da cidade de São Paulo. Não sou candidato nem um, nem outro", disse, quando questionado sobre se poderia concorrer ao governo do Estado ou à Presidência da República. Doria retorna ao Brasil na quarta, 24, à noite.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.