Doria diz que é preciso 'serenidade para proteger o Brasil'

Prefeito e Alckmin aguardam término de reunião em Brasília com as bancadas tucanas

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2017 | 12h30

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou ao Estado na manhã desta quinta-feira, 18, que o momento atual da política brasileira demonstra que é "preciso ter serenidade e equilíbrio para proteger o Brasil". O tucano chegou nesta quinta-feira ao País, após uma viagem de negócios aos Estados Unidos ao lado do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Os dois planejavam conceder uma entrevista coletiva na tarde desta quinta sobre as revelações feitas nesta quarta-feira, 17, pelo jornal O Globo e confirmadas pelo Estado. De acordo com a publicação, o empresário Joesley Batista, um dos donos do frigorífico JBS, relatou no acordo de delação premiada firmado por ele que gravou conversa com o presidente Michel Temer, em março deste ano, na qual ele teria dado aval para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB), preso na Operação Lava Jato.

Joesley também gravou conversa com o senador Aécio Neves (PSDB-MG) em que o tucano pede R$ 2 milhões ao empresário sob o argumento de que precisaria de ajuda para pagar sua defesa na Lava Jato. Na manhã desta quinta, o Supremo Tribunal Federal (STF) fastou Aécio Neves do cargo de senador e ordenou a prisão da irmã e do primo dele. É esperado agora seu afastamento do cargo de presidente nacional do PSDB.

 

 

De acordo com Doria, a cautela é necessária porque muitos fatos têm vindo à tona a cada minuto. Uma manifestação de ambos, no entanto, não está descartada. O prefeito e o governador aguardam pelo término da reunião que ocorre hoje em Brasília e reúne as bancadas tucanas na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. O posionamento de Alckmin e Doria, ambos cotados para disputar a indicação do partido para a corrida presidencial de 2018, deve ser único. Os dois pretendem mostram que o partido em São Paulo tem unidade e comando. 

Antes disso, às 15h desta quinta-feira, Alckmin é esperado para cumprir uma agenda de governo na Bela Vista, centro da capital, durante inauguração de um equipamento de saúde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.