Foto: Vera Magalhães
Foto: Vera Magalhães

Doria deixa Bolsonaro para ser homenageado em jantar com atuais e ex-aliados do presidente

Tucano compareceu a jantar no Rio de Janeiro e foi agraciado com o título de cidadão carioca, oferecido pelo empresário Paulo Marinho e sua mulher, Adriana

Vera Magalhães, enviada especial, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2019 | 07h48
Atualizado 16 de junho de 2019 | 14h44

RIO – A abertura da Copa América em São Paulo teve a presença do presidente Jair Bolsonaro, mas, ao seu lado, estava o vice-governador do Estado, Rodrigo Garcia, e não o titular do posto. É que João Doria Jr. teve outro compromisso, no Rio de Janeiro no mesmo horário. O tucano foi o homenageado de um jantar para 400 pessoas oferecido pelo empresário Paulo Marinho e sua mulher, Adriana, na casa de ambos no Rio de Janeiro. 

Marinho é o primeiro suplente de Flávio Bolsonaro (PSL) no Senado. O jantar em homenagem a Doria marca seu ingresso no PSDB e a missão, conferida pelo governador, de revitalizar o partido no Rio com novas filiações e mais capilaridade entre formadores de opinião. Doria recebeu o título de Cidadão do Rio de Janeiro, conferido pela Câmara Municipal, mas entregue excepcionalmente fora do Legislativo.

A casa que recebeu advogados, jornalistas, cineastas, músicos, integrantes do mercado financeiro, empresários e políticos para ouvir Doria é a mesma que Marinho emprestou, na campanha do ano passado, para as gravações dos programas de TV de Bolsonaro. 

Entre os convidados, ex e atuais aliados do presidente, como o ex-ministro Gustavo Bebianno e a líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), confraternizavam e conversavam amistosamente.

Filho do anfitrião imita presidente

Não faltou nem espaço para a “participação” do próprio Bolsonaro nos discursos da noite. O filho do anfitrião, André Marinho, conhecido por sua acurada imitação presidencial, “encarnou” o personagem famoso e não deixou de fora nem uma sutil crítica política: “Soube que sua reunião de secretariado tem relógio para atraso, tem apito, tem multa. Eu só falo pro 02 dar um tuíte e tá resolvido isso daí. Já foram dois. Você está entre o Santa e o Cruz”, disse o jovem, como se fosse Bolsonaro, numa referência aos desentendimentos com Carlos Bolsonaro que ceifaram dois ministros (Bebianno e general Santos Cruz).

Joice abriu sua fala fazendo menção ao fato de ser uma espécie de estranha no ninho de novos e velhos tucanos. “Estou aqui com essa patota do PSDB, mas sou PSL”, disse. Ela lembrou que foi na casa de Marinho que nasceu a aliança “Bolsodoria” no segundo turno da eleição presidencial. “O que une esses dois (Doria e Bolsonaro) é uma amizade profunda, leal e honesta”, afirmou ela.

De qualquer maneira, qualquer sinal de “Bolsodoria” parecia ter ficado no passado ontem, no discurso do homenageado – e na própria decisão de trocar o “teste do estádio” ao lado do presidente para estar na base eleitoral dele.

O governador fez um longo histórico de sua vida e das condições que o levaram a trocar a iniciativa privada pela política, vencendo duas eleições em dois anos. Deu tons épicos à narrativa de alguém que começou a trabalhar aos 13 para ajudar a mãe a pagar a conta de luz, dizendo a um público novo que o PSDB, sob o comando de seu aliado Bruno Araújo, também presente, não estará mais no muro.

A fala, longa, proferida no bonito jardim do casal Marinho, foi marcada por dois vigorosos assobios de Doria para pedir silêncio para o público eclético, que mesclava quem prestasse atenção à sua fala, os que se refrescavam com champanhe Taittinger Brut geladíssima, ceviche e carpaccio de vieira, e até um incauto que caiu no lago de carpas da mansão. O jantar só foi servido depois dos discursos.

Centro liberal e escalada política de Doria

A sucessão de 2022 esteve presente nos apelos de Paulo e André Marinho para que Doria dê continuidade à sua escalada política e, subliminarmente, na maneira como o próprio governador fez questão de acentuar as diferenças entre ele e Bolsonaro em seu discurso. Numa das mais incisivas falas com esse objetivo, fez referência duas vezes ao fato de seu pai ter sido cassado pelo “golpe militar de 1964”, fazendo questão de dar uma ênfase na palavra “golpe”.

Também disse que o PSDB será um partido de centro liberal, marcando uma distância ideológica em relação à direita bolsonarista, e acentuou a necessidade de se ter uma abordagem, que chamou de “não paternalista”, para reduzir a pobreza e a desigualdade no Brasil.

Um dos momentos em que foi mais aplaudido foi na enfática defesa que fez do ministro Sérgio Moro, que enfrentou uma semana de questionamentos por conta do vazamento de conversas entre ele e integrantes da Lava Jato. “Moro não fez nada de errado, ele ajudou o Brasil”, disse o homenageado da noite, anunciando que telefonou ao ex-juiz para anunciar que lhe dará a Ordem do Ipiranga, uma das mais prestigiosas comendas do Estado de São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
João Doria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.