Hélvio Romero / Estadão
Hélvio Romero / Estadão

Doria defende que caso Marielle seja investigado no STF após citação a Bolsonaro

Para governador de São Paulo, qualquer pessoa está sujeita a investigações e ninguém está acima da lei

Francisco Carlos de Assis e Iander Porcella, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2019 | 11h18

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), defendeu que o Supremo Tribunal Federal (STF) investigue o presidente Jair Bolsonaro pelo fato de seu nome sido citado em reportagem do Jornal Nacional, da TV Globo, no caso da morte da vereadora e ativista Marielle Franco.

Segundo Doria, qualquer pessoa está sujeita a investigações e não tem ninguém acima da lei. "Mas isso tem que ser feito com equilíbrio", disse em rápida entrevista após ter participado do Estadão Summit Brasil - O que é poder?.

Para Entender

Bolsonaro atribui a Witzel vazamento que o vincula a caso Marielle; governador nega

Em live gravada durante a madrugada na Arábia Saudita, presidente classificou reportagem da TV Globo como 'patife' e 'canalha'

Doria elogiou as qualidades de Gustavo Bebbiano, ex-secretário-geral da Presidência da República, que deve se filiar ao PSDB. "Ele é um ótimo advogado, um cidadão que pode estar filiado a qualquer partido, que por acaso é o PSDB", disse o governador.

O tucano também fez um convite público ao general Santos Cruz, ex-ministro da Secretaria de Governo de Bolsonaro. Doria disse ter um bom relacionamento com o general, mas que até agora o PSDB não havia formalizado um convite a ele para que se filiasse ao partido. "Mas aproveito, agora, para de público, fazer o convite a ele", disse.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.