Governo do Estado de SP/Divulgação
Governo do Estado de SP/Divulgação

Doria critica ataques a Uip nas redes sociais: 'milicianos internautas'

Governador de São Paulo criticou ataques virtuais a médicos, voltou a parabenizar o ministro Luiz Henrique Mandetta e pediu união para enfrentar pandemia

João Ker e Paloma Cotes, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2020 | 13h24

SÃO PAULO - Durante o anúncio de medidas para conter o avanço do novo coronavírus em São Paulo, o governador João Doria (PSDB) voltou a elogiar o trabalho do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e criticou o que chamou de 'milícias virtuais' que estariam atacando médicos, entre eles o chefe do Comitê contra a Covid-19 no Estado, David Uip. Recuperado da doença, Uip voltou a trabalhar nesta semana. Em redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro questionou se o médico usou cloroquina no tratamento contra a doença.

"Peço respeito à medicina e aos médicos. Nossa guerra é contra o coronavírus. O ministro Mandetta vem cumprindo bem sua função como ministro da saúde. Não faz sentido atacar o médico David Uip, pelo dito gabinete do ódio. E nem o doutor Roberto Kalil. Por favor, respeitem os médicos e a medicina, os enfermeiros, aqueles que estão doando seu conhecimento e dedicação para ajudar as pessoas a manterem sua saúde", disse Doria.

Usando suas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro fez referência a Uip, a quem tem pressionado para que revele se utilizou ou não a cloroquina durante seu tratamento. “Dois renomados médicos no Brasil se recusaram a divulgar o que os curou da covid-19. Seriam questões políticas, já que um pertence a equipe do governador de SP?”, questionou. “Acredito que eles falem brevemente, pois esse segredo não combina com o Juramento de Hipócrates que fizeram. Que Deus ilumine esses dois profissionais, de modo que revelem para o mundo que existe um promissor remédio no Brasil.”

Bolsonaro disse ter feito contato com “dezenas de médicos” e alguns chefes de Estados de outros países para falar sobre os medicamentos. “Cada vez mais o uso da cloroquina se apresenta como algo eficaz”, disse. “Há 40 dias venho falando do uso da hidroxicloroquina no tratamento da covid-19. Sempre busquei tratar da vida das pessoas em 1° lugar, mas também se preocupando em preservar empregos".

Ainda durante o pronunciamento, Doria repudiou diretamente àqueles que chamou de 'milicianos internautas' e pediu união e entendimento para superar a pandemia.

"Precisamos de paz e não confronto. Que país é esse onde o confronto pelas redes é feito pra destruir pessoas e reputações? E principalmente de médicos, que aprenderam a salvar as pessoas? E agora, por um milícia digital, são acusados, emparedados, na tentativa de destruir a reputação dessas pessoas? Como governador, meu repúdio. Precisamos de paz, entendimento, harmonia e união pra vencer a crise. Não é atacando, com milicianos internautas, que construiremos um ambiente de paz. Atacar médicos não salva a vida de ninguém. Só aumenta ainda mais a perda de vidas de pessoas", declarou.

Nesta terça, Uip já havia sido questionado sobre se teria usado cloroquina: "Eu não me prescrevi, eu não me receitei, eu fui cuidado por médicos da minha confiança", disse ele, que é infectologista. "É algo absolutamente pessoal e, como eu respeito os meus pacientes, eu gostaria de ser respeitado em algo que é muito pessoal e muito particular. Não faço isso para esconder nada, mas não quero transformar o meu caso em modelo para coisa alguma."

Durante a coletiva desta quarta, Uip criticou a postura de Bolsonaro. "Presidente, eu respeitei o seu direito de não revelar o seu diagnóstico, respeite o meu de não revelar meu tratamento", disse. 

Na coletiva, Doria afirmou que a prescrição da cloroquina cabe ao médico. "Foi o infectologista Davi Uip quem sugeriu, quem recomendou ao ministro da Saúde que distribuísse o medicamento (cloroquina) na rede pública do País. Quero deixar claro que quem decide como, quando, onde e com quem aplicar é o médico. Não é o governador."

De acordo com a Secretaria Estadual da Saúde, a cloroquina foi distribuída pelo Ministério da Saúde e está disponível na rede pública para tratamento de pacientes internados. O secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, afirmou que o uso vem sendo feito, mas ressaltou que a cloroquina só é usada quando prescrita pelo médico e quando o paciente aceita o tratamento, frente aos risco que ele pode apresentar, dado que podem existir efeitos colaterais. Ainda não existem estudos científicos que comprovem a eficácia da substância frente ao novo coronavírus. 

Ao final da entrevista, Doria criticou mais uma vez Bolsonaro. "Presidente, quando o senhor precisou salvar sua vida, o senhor veio ao hospital Albert Einstein e foi atendido pelos mesmos médicos da equipe que o doutor David Uip participa. O senhor agradeceu naquele momento a esses médicos? E são esses médicos que estão ajudando a salvar a vida de milhões de brasileiros. Respeite os médicos. O senhor pode precisar deles outra vez", disse o governador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.