DIVULGAÇÃO/GOVERNO SP
DIVULGAÇÃO/GOVERNO SP

Doria cita prefeito de Milão e pede que Bolsonaro se desculpe por atacar isolamento

Governador de São Paulo afirma que se desculpar por erro seria gesto de grandeza; segundo ele, o Estado vai à Justiça se o Planalto editar decreto para abrir comércios

Paloma Cotes, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2020 | 16h00

SÃO PAULO - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta terça-feira, 31, que o presidente Jair Bolsonaro deveria se desculpar com a população por incentivar as pessoas a descumprirem o isolamento social e saírem de casa durante a pandemia do novo coronavírus. Em entrevista coletiva, o tucano citou o exemplo do prefeito de Milão, Giuseppe Sala, que patrocinou a campanha "Milão não para". Depois que o número de mortes na região chegou a 4.474, ele pediu desculpas publicamente

"Ele reconheceu o seu erro ao apoiar uma iniciativa do setor privado em apoiar a campanha de que Milão não deveria parar. A lição de humildade do prefeito é de reconhecer os erros e eu espero que o presidente Jair Bolsonaro reconheça o seu erro de estimular as pessoas a saírem de casa. Faça, presidente, como fez o prefeito de Milão. Reconheça o seu erro e seja valorizado por isso. Ser humano, ser sincero, falar a verdade, reconhecer as suas falhas é prova de grandeza e não de fraqueza", disse Doria.

O governador paulista fez nesta terça-feira uma conferência com Sala, a quem chamou de "amigo pessoal". O objetivo da conversa, segundo Doria, é usar a experiência italiana no combate à covid-19 para entender quais medidas deram certo e quais deram errado.

Em relação ao decreto cogitado pelo presidente Jair Bolsonaro, para reabrir setores do comércio, Doria disse que pode judicializar a questão: "Se Bolsonaro vier a implementar ou tomar decisão desse tipo, informo que o governo de São Paulo tomará medidas judiciais para evitar que isso aconteça. Em São Paulo, não vamos permitir que nenhum ato irrresponsável se sobreponha ao posicionamento sereno, equilibrado e responsável do Estado, através de seu governo e das prefeituras". 

Ao se dirigir diretamente aos empresários, o tucano afirmou: "A vida vem antes do lucro. E, por favor, fiquem em casa".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.