Dida Sampaio/Estadão - 20/9/2021
Dida Sampaio/Estadão - 20/9/2021

Doria admite abrir mão de candidatura 'lá adiante'

'Não vou colocar o meu projeto pessoal à frente daquilo que sempre foi a índole', diz Doria em evento organizado pelo banco BTG Pactual

Giordanna Neves, Matheus de Souza e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2022 | 16h05
Atualizado 22 de fevereiro de 2022 | 17h11

Pré-candidato ao Palácio do Planalto, o governador João Doria (PSDB) defendeu nesta terça-feira, 22, a manutenção das candidaturas da chamada terceira via, mas admitiu publicamente pela primeira vez que "lá adiante" pode abrir mão em prol de outro nome.     

"Não vou colocar o meu projeto pessoal à frente daquilo que sempre foi a índole. Se chegar lá adiante e, lá adiante, eu tiver de oferecer o meu apoio para que o Brasil não tenha mais essa triste dicotomia do pesadelo de ter Lula e Bolsonaro, eu estarei ao lado daquele ou de quantos forem os que serão capacitados para oferecer uma condição melhor para o Brasil", afirmou o governador diante de uma plateia de empresários e investidores no CEO Conference 2022, evento organizado pelo banco BTG Pactual. 

Ao falar no mesmo evento antes de Doria, Moro foi no caminho oposto e deixou claro que não abre mão da disputa. "Não faz sentido abdicar da pré-candidatura se ela tem o maior potencial para vencer extremos", completou.

O timing do momento da unidade da terceira via também destoou.  "A gente precisa se unir, acho que isso é urgente, eu faria isso de bom grado", disse Moro. 

"Aquelas [candidaturas] que compõem esse centro democrático liberal e social, nós temos que manter até o esgotamento do diálogo pelos líderes partidários", rebateu o tucano, citando os nomes do ex-juiz Sérgio Moro (Podemos) e da senadora Simone Tebet (MDB-MS). 

Pesquisa

Na semana passada,  Moro, Tebet e o cientista político Felipe d'Avila, pré-candidato do Novo, participaram de um almoço debate com empresários organizado pelo Lide (Grupo de Líderes Empresariais), organização criada pelo governador João Doria, pré-candidato do PSDB ao Palácio do Planalto.

Na ocasião, todos pregaram a união do centro contra Lula e Bolsonaro.  "Sem dúvida é possível a união do centro até as convenções. Como avaliar? Com pesquisa, quantitativa e qualitativa. Não só a pesquisa de intenção de voto, mas também ver aquele  tem o menor índice de rejeição", disse Tebet aos jornalistas na saída do evento.   

Ainda segundo a senadora, o momento certo para definir o candidato desse bloco é em maio. "Muitas pré-candidaturas vão se encontrar. Acredito que é possível caminhar com uma única candidatura do centro democrático ainda no 1° turno". 

Na mesma linha, o ex-ministro Sérgio Moro (Podemos) afirmou que existe "convergência" entre os projetos do centro democrático. 

"O ideal é que essa união aconteça o quanto antes. Temos que considerar vários fatores (para a escolha do nome). O mais fundamental é o pré-candidato que se encontrar mais à frente nas pesquisas. Devemos nos unir em torno de um nome mais competitivo, e as pesquisas devem ser levadas em consideração."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.