Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Instagram / Reprodução
Instagram / Reprodução

Doria acusa ativista bolsonarista Sara Winter de difamação e ameaça

Em notícia-crime enviada à Justiça, defesa de tucano lembra que ativista escolheu nome de espiã de Hitler e membro da União Britânica de Fascistas no século XX

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2020 | 15h17

O governador João Doria (PSDB) apresentou nessa segunda-feira, 1, uma notícia-crime para pedir a instauração de inquérito policial com o objetivo de apurar 31 supostos crimes de difamação e 1 de ameaça sofridos pelo tucano no Twitter. Os ataques foram feitos pela ativista de direita Sara Winter, que também fez ameaças ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre Moraes, e organizou ato no sábado eme frente à Corte.

Sara Winter está entre os 29 alvos da operação da Polícia Federal realizada dia 27 e determinada por Moraes no inquérito de fake news. Depois da ação da PF, Sara Winter gravou um vídeo no qual disse que vai "infernizar" a vida do ministro do STF. 

Em postagens no Twitter, a militante xinga Doria de "oportunista", "sádico", "covarde" e "botox ambulante" entre outros.

No pedido assinado pelo advogado Fernando José da Costa, há menção ao fato de Sara Fernanda Giromini - o verdadeiro nome de Sara Winter - ser filiada ao DEM, partido do vice-governador Rodrigo Garcia. Segundo o documento, a escolha da ativista por esse nome coincide com o nome Sarah Winter Donville Taylor, que foi espiã de Hitler e membro da União Britânica de Fascistas no século XX. 

A notícia-crime inclui um post de Sara Winter no Facebook no qual ela disse que foi treinada na Ucrânia e que "chegou a hora de ucranizar", além de fotos dela com o presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais. A ativista é uma das líderes do grupo 300 pelo Brasil, que está acampado em frente ao Palácio do Planalto. O grupo tem integrantes armados e prega bandeiras antidemocráticas. 

Sara não foi localizada para comentar a notícia-crime . Em seu Twitter, ironizou o pedido feito pelo governador de São Paulo: “Doria vai me processar porque o chamei de botox ambulante  KKKKKKKKKKKK.”

Tudo o que sabemos sobre:
João DoriaSara Winterdifamação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.