Agência Estado
Agência Estado

Dono do castelo diz que pela 1ª vez consegue se defender

Edmar Moreira depõe no Conselho de Ética sobre suspeita de mau uso de verba indenizatória

Luciana Nunes Leal, da Agência Estado,

20 de maio de 2009 | 15h25

O deputado Edmar Moreira (sem partido-MG) afirmou nesta quarta-feira, 20, que pela primeira vez tem a oportunidade de se defender. "Pela primeira vez tenho a oportunidade de dar a satisfação aos meus pares, à administração desta Casa, à imprensa brasileira e consequentemente ao povo e à opinião pública, especificamente ao meu querido Estado das Minas Gerais", afirmou Edmar.

 

Veja Também:

especialPerfil: Quem é Edmar Moreira, dono do castelo

lista Todas as notícias sobre o caso Edmar Moreira

documento Fac-símile: 'Estado' publica matéria sobre o caso em 1993

 

Conhecido como dono de um castelo que vale R$ 25 milhões, Edmar depõe no Conselho de Ética no processo a que responde por quebra de decoro parlamentar. Ele é suspeito de mau uso de verba indenizatória.

 

Segundo a Agência Câmara, o deputado explicou que, em razão de problemas de saúde, não tem condições de fazer toda a leitura dos argumentos contrários às acusações de uso indevido da verba indenizatória e passou a palavra a seu advogado.

 

O relator do processo é Nazareno Fonteles (PT-PI), que substitui Sérgio Moraes (PTB-RS), o deputado que está se lixando para a opinião pública. Moraes, destituído da relatoria do processo contra o ex-corregedor, foi um dos primeiros integrantes do Conselho de Ética.

 

Moraes disse que fará uma consulta à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para saber se a destituição - decidida pelo presidente do colegiado, José Carlos Araújo (PR-BA) - é regimental. "Quero saber se pode. Se puder, está liberada a caça. Foi o primeiro ato de ditadura desta Casa, com apoio da imprensa", protestou Moraes.

 

Edmar Moreira renunciou ao cargo de 2º vice-presidente da Câmara depois de denúncias de envolvimento em uma série de irregularidades. Entre elas, a de que teria omitido à Justiça Eleitoral a propriedade de um castelo no interior de Minas Gerais. O fato de não ter declarado a posse do castelo, contudo, não está em julgamento no processo em curso no Conselho de Ética.

 

Texto ampliado às 15h50

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Edmar Moreiradono do castelo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.