Doleiro quer fazer acordo de delação premiada

O advogado Antonio Carlos de Almeida Castro confirmou nesta terça-feira, 23, que o doleiro Alberto Youssef decidiu fazer um acordo de delação premiada. Como consequência disso, Castro sairá do caso.

MARIÂNGELA GALLUCCI, Estadão Conteúdo

23 de setembro de 2014 | 18h34

"A família convenceu o Youssef a fazer a delação. Por mais que eu tenha afirmado que a nossa tese no STJ (Superior Tribunal de Justiça) é muito forte e que eu acredito na hipótese de anular todo o processo, a família cansou e eu estou saindo do caso", afirmou o advogado.

Castro afirmou que Youssef sempre foi correto com ele. "Pediu para me avisar dizendo que não pode segurar a família. Pediu desculpas e disse saber que eu ia sair, como combinado", completou.

Lava Jato

A operação Lava Jato foi deflagrada no dia 17 de março pela Polícia Federal. O alvo principal era o doleiro Alberto Youssef. Os investigadores descobriram suas relações com o ex-diretor de abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, que ocupou o cargo estratégico na estatal entre 2004 e 2012. O doleiro já tinha sinalizado a intenção de fazer uma nova delação premiada - em dezembro de 2003, Youssef adotou esse procedimento no âmbito do caso Banestado, investigação sobre evasão de divisas nos anos 1990.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.