Doleiro acusado de comandar esquema tratava deputado como 'chefe'

Conversa foi gravada pela Operação Miquéias, da Polícia Federal, que investiga direcionamento de recursos de fundos de pensão estadual e municipal para investimentos desvantajosos

Andreza Matais e Fábio Fabrini , O Estado de S. Paulo

03 de outubro de 2013 | 19h26

Brasília - Apontado pela Polícia Federal como líder de um esquema criminoso, o doleiro Fayed Treboulsi trata o deputado federal Waldir Maranhão (PP-MA) como "chefe" em conversa telefônica interceptada pela Operação Miqueias. A operação investiga direcionamento de recursos de fundos de pensão estadual e municipal para investimentos desvantajosos.

No diálogo, gravado em 21 de novembro de 2012, o deputado orienta Fayed, a quem chama de "meu irmão", a procurar o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal, também do PP, para que tenham um "conversa social". "Deixa eu lhe dizer, amanhã quem vai estar aqui é o Bernal lá de Campo Grande. Já teve com ele, né?..Se você tiver um tempinho, à noite, eu acho que vale a pena convidá-lo para ter uma conversa social, tá?...Eu vou te passar logo o telefone dele porque um convite seu é diferente, viu?" Por meio da assessoria, o prefeito afirmou que não conhece Fayed.

Ao final da conversa, o deputado avisa a Fayed que "Marabá está fechado". Fayed responde: "Beleza, o meu pessoal está lá." O deputado encerra a ligação: "Tá fechado lá. Agora só as providências." No diálogo, a PF trata o deputado por HNI (Homem Não Identificado). A assessoria do deputado confirmou, no entanto, que celular registrado na conversa é de Waldir Maranhão. Procurado, o deputado não ligou de volta para o Estado. Na quarta-feira, 2, a Justiça encaminhou o inquérito para o Supremo Tribunal Federal (STF) devido a suposta participação de deputados.

Maranhão. Relatório de inteligência da PF, ao qual o Estado teve acesso, revela, ainda, que a quadrilha atuava no Maranhão. Manoel Felipe do Rego Brandão, ex-servidor do Ministério da Fazenda, "teria oferecido facilidades de acesso ao instituto de previdência do Município de São Luís" segundo a PF. Brandão "atua como lobista, intermediando contatos entre os membros da organização criminosa e políticos".

A operação apurou irregularidades nos regimes próprios de Previdência Social das seguintes prefeituras: Manaus/AM, Ponta Porã/MS, Murtinho/MS, Queimados/RJ, Formosa/GO, Caldas Novas/GO, Cristalina/GO, Águas Lindas/GO, Itaberaí/GO, Pires do Rio/GO, Montividiu/GO, Jaru/RO, Barreirinhas/MA, Bom Jesus da Selva/MA, Santa Luzia/MA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.