Dólar volta a cair e Lula fala em novas medidas para o câmbio

Dois dias após elevação do IOF para conter entrada de dólares, moeda americana caiu para R$ 1,67 nesta quarta-feira.

BBC Brasil, BBC

20 de outubro de 2010 | 20h06

Apesar dos esforços do governo brasileiro para tentar frear a entrada de moeda estrangeira no país, o mercado dá sinais de que as medidas podem não ter sido suficientes.

O dólar voltou a fechar em baixa nesta quarta-feira, cotado a R$ 1,67, dois dias depois de o Ministério da Fazenda anunciar uma nova elevação do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), que subiu de 4% para 6%. O imposto incide sobre investimentos estrangeiros em renda fixa.

A moeda americana chegou a subir de forma expressiva no pregão desta terça-feira, mas operadores de câmbio explicaram que o movimento estava mais relacionado com anúncios na China que derrubaram os mercados do que propriamente com as medidas do governo brasileiro.

Em São Paulo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, estava certo sobre a existência de uma "guerra cambial" e acrescentou que o país tomará "as medidas que forem necessárias" para que o real não seja tão valorizado frente a outras moedas.

"Na hora em que o Miguel Jorge (ministro da Indústria e Comércio) disser para mim que as importações estão incomodando, nós iremos tomar medida. Por enquanto, o que ele acha é que a gente não tem que diminuir as importações", disse o presidente.

O real valorizado frente ao dólar beneficia as importações, ao mesmo tempo em que diminui a competitividade dos produtos brasileiros no exterior.

O resultado é o aumento do déficit nas contas correntes, que deve fechar o ano em US$ 49,5 bilhões. No ano passado, o déficit foi de US$ 24,3 bilhões.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.