Dois sem-terra são baleados em tentativa de invasão

Dois integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) foram baleados na madrugada desta segunda-feira durante tentativa de invasão de uma fazenda na cidade de Janaúba, no norte de Minas. Cerca de 300 sem-terra seguiam para a fazenda Angicos, mais conhecida como Saraiva, a 20 quilômetros da sede do município. De acordo com o MST, por volta das 3h, a aproximadamente 1,5 quilômetro da porteira, o grupo foi recebido a tiros. Cirilo Silveira Costa, de 49 anos, foi atingido no ombro. A outra vítima, Jair Rodrigues Santos, de 35 anos, levou um tiro na perna direita. Dois suspeitos de participação no crime foram presos pela PM. "Foi uma tocaia, vi bala passando por todo lado", contou o sem-terra Paulo Sérgio Fernandes Souza. A Polícia Militar foi acionada e ajudou no socorro aos feridos, que foram levados para o Hospital Regional da cidade. Segundo o hospital, Costa foi submetido a uma cirurgia e permanecia internado. Santos foi atendido e liberado nesta segunda mesmo. Por volta das 8h30, policiais que faziam buscas na região prenderam Francisco da Silva e Ediraldo de Souza Mendes, por porte ilegal de arma. Eles estavam em um carro de propriedade de José Tarcísio Mendes, um dos herdeiros e administradores da fazenda - que pertence ao espólio de Belino Mendes Martins. No carro, os PMs encontraram um revólver calibre 38, com cinco cartuchos intactos, informou o assessor de comunicação da 12ª Companhia, Elton Freitas Menezes. O fazendeiro confirmou que Ediraldo, que conduzia o veículo, é seu primo. Conforme Tarcísio Mendes - que é vereador na cidade -, eles foram ao local a seu pedido para avisar um vaqueiro e um casal de idosos que moram na propriedade sobre a iminente invasão. "Ele levou uma arma com medo do que poderia acontecer", disse o fazendeiro, que negou qualquer relação com o episódio. Os suspeitos presos prestaram depoimento na delegacia de Polícia Civil da cidade e também negaram participação no ataque. Representantes dos sem-terra também foram chamados para depor. PressãoO coordenador estadual do MST na região, Cristiano Meirelles, disse que as famílias saíram do acampamento Dom Mauro, na cidade de Nova Porteirinha. O objetivo, segundo ele, era montar um novo acampamento na entrada da fazenda Angicos para pressionar o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) a vistoriar e desapropriar o imóvel - que o movimento afirma ser improdutivo e formado por cerca de sete mil hectares.Tarcísio Mendes, por sua vez, garantiu que o imóvel é produtivo e não tem mais do que 800 hectares. "Eles por acaso invadem coisa ruim?", questionou. A Superintendência do Incra em Minas informou que já foi protocolado um pedido no órgão para que a Angicos seja vistoriada em 2007, o que ainda não ocorreu.TensãoTambém na região norte de Minas, o MST invadiu na madrugadas nesta madrugada a Fazenda Cruz, em Januária. Cerca de 50 famílias reocuparam o imóvel, que já havia sido invadido anteriormente. Por ordem da Justiça, que concedeu reintegração de posse ao dono, os sem-terra deixaram a fazenda e acamparam às margens de uma rodovia. A propriedade, com cerca de 400 hectares, foi vistoriada recentemente pelo Incra, mas o parecer técnico ainda não foi divulgado. O coordenador regional do MST avisou que o movimento vai intensificar as ações no norte do Estado. "Essa ação violenta dos fazendeiros não vai nos impedir de fazer as ocupações", disse. Meirelles criticou o programa de reforma agrária conduzido pelo governo federal. "A classe dos trabalhadores sem-terra está indignada. Já que o Estado não acelera os processos de desapropriação e assentamento, a tendência é o clima de tensão e violência aumentar cada vez mais".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.