Dois são presos por crimes contra comunidade indígena em SC

Segundo a Polícia Federal, suspeitos queriam impedir índios de construir casas na Aldeia Cambirela

Solange Spigliatti, da Agência Estado,

29 Outubro 2009 | 14h09

Duas pessoas foram detidas na última quarta-feira, 28, acusadas de praticar crimes contra membros da Comunidade Indígena Guarani da Aldeia Cambirela, no município de Palhoça, em Santa Catarina, atualmente em processo de demarcação.

Segundo a Polícia Federal, os suspeitos, em companhia de outras pessoas, ameaçavam os índios, inclusive com agressões, com o objetivo de impedir o prosseguimento da construção de casas na comunidade, alegando que seria sua a propriedade.

De acordo com as vítimas, essas pessoas, por vários anos, têm constrangido toda aquela comunidade, mediante grave ameaça e violência física. O objetivo das ameaças é fazer com que os índios desocupem a área a ser demarcada, valendo-se de facões, paus, pedras e até de arma de fogo. Os presos, segundo a PF, já destruíram e atearam fogo em duas casas indígenas.

A Juíza Federal Ana Cristina Kramer, da 1ª Vara Federal Criminal de Florianópolis, expediu, além dos mandados de prisão preventiva, dois mandados de busca nas residências dos presos. Na ocasião, foram arrecadados uma garrucha, um facão e munições calibre 36.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.