Dois protestos marcam dia de Lula em Londres

Duas manifestações de protesto marcaram o primeiro dia da visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Reino Unido. Um pequeno grupo de ativistas do Greenpeace realizou uma vigília silenciosa contra a destruição na Amazônia enquanto Lula transitava numa carruagem ao lado da rainha Elizabeth II pelo Pall Mall, em direção ao Palácio de Buckingham. No mesmo local, sob uma forte chuva, dezenas de integrantes da campanha que defende a libertação do britânico Craig Alden - condenado no Brasil por abuso a menores - também protestaram contra o chefe de Estado brasileiro.Os manifestantes do Greenpeace - cerca de 30, segundo a ONG - portavam faixas com a frase "Deus Salve a Amazônia" em inglês e português. Eles trajavam camisetas da seleção brasileira de futebol, alegando que uma área equivalente ao tamanho de um campo de futebol é destruída a cada dez segundos na Amazônia."Lula, que está visitando o Reino Unido, tem presidido sobre níveis massivos de desflorestamento da Amazônia", disse o Greenpeace em nota para a imprensa. Segundo a entidade, desde que Lula veio ao poder, em janeiro de 2003, uma área da Amazônia equivalente ao tamanho da República da Irlanda - aproximadamente 70 mil quilômetros quadrados - foi derrubada."Eu vim ao Mall para fazer com que o presidente brasileiro saiba que as pessoas ao redor do mundo estão olhando o que ele faz na Amazônia", disse Belinda Fletcher, que participou da vigília silenciosa. "O presidente Lula tem dado as declarações corretas e recentemente agiu para proteger amplas áreas da Amazônia, mas o simples fato é que sob o governo dele temos visto níveis recordes de destruição da floresta."O Greenpeace publicou nesta terça-feira um anúncio de uma página no jornal The Independent protestando contra a destruição da floresta amazônica e criticando o governo brasileiro.JustiçaA manifestação pela libertação de Craig Alden foi liderada pela mãe dele, Maureen. Ela afirma que seu filho, que administrava um orfanato em Goiás, é inocente e o processo na Justiça brasileira que resultou em sua condenação não foi justo. Alden está detido desde julho de 2002 e cumpre pena de 11 anos de prisão em regime fechado.Maureen pretende realizar outra manifestação na quarta-feira, diante da embaixada brasileira, e entregar um carta ao presidente Lula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.