Dois petroleiros da P-34 passaram a noite internados

Pelo menos dois petroleiros que estavam no navio-plataforma P-34 passaram a noite internados com suspeita de hipotermia (temperatura do corpo excessivamente baixa), no Hospital Irmandade São João Batista de Macaé. Valdenir Siqueira e Moisés Cardoso receberam alta na manhã de hoje. Para escapar da plataforma, Cardoso contou que nadou durante 40 minutos até chegar ao rebocador que o trouxe, com mais 30 funcionários, para o continente.Segundo o operador de produção, devido ao acidente, mais da metade da tripulação (76 petroleiros trabalhavam na plataforma no momento do acidente) teve que se jogar no mar para fugir. Quem conseguiu entrar no bote se afastou, por medo do naufrágio, que poderia, com sua força, arrastar embarcações próximas.?Fui um dos últimos a descer. Eu tinha acabado de acordar e estava indo para o banho quando ouvi o alarme. Não conseguimos jogar a segunda baleeira, somente um bote inflável. Quando saímos, o navio estava com 28 graus de inclinação. Nadamos 40 minutos até o rebocador.?Cardoso disse que foi internado com uma dor muito forte no peito e cansaço. Ele é funcionário da estatal há 20 anos, mora em Alagoinhas, na Bahia, e há 13 trabalha em plataformas. Ele suspeita que as válvulas, por um problema mecânico, tenham se aberto e o óleo migrado para o lado esquerdo da embarcação, provocando o adernamento.A Petrobras informou que vai divulgar às 11h30 nota oficial sobre o adernamento da P-34, que corre o risco de afundar na Bacia de Campos. Segundo a assessoria de imprensa da estatal, as informações preliminares de técnicos que estão no local é de que a plataforma está estabilizada e teria deixado de inclinar. A assessoria de imprensa não soube precisar o grau de inclinação em que a plataforma se encontra.Veja o especial sobre a P-34

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.