Dois mil remédios terão aumento

Mais de dois mil medicamentos de consumo popular, entre os quais Cataflan, Voltarem, Novalgina, Gardenal, Lexotan, Renitec e Keflex terão aumento a partir deste mês. O índice de reajuste deve variar de 4,5% a 5,94%, segundo pesquisa do Conselho Regional de Farmácia do Distrito Federal (CRF-DF). Os aumentos vão englobar remédios de 95 laboratórios, que representam 80% do mercado farmacêutico no País.De acordo com a pesquisa do CRF-DF, cinco laboratórios - Clímax, Stafford Miller, Libbs, TRB Pharma e Margliano - teriam aumentado o preço de seus medicamentos antes do dia 15 de janeiro, contrariando o acordo do governo com a indústria. Uma Medida Provisória editada em dezembro autoriza os aumentos em até 5,94%, mas proíbe a elevação de preços antes desta data.Entre os laboratórios que poderão aumentar o preço de seus medicamentos estão o Merck Sharp, Libbs, Aché, Novartis, Rodhia, Pfizer, Serale, Eli Lilly, Astra Medica, Roche e Schering Plough. Esses laboratórios aumentaram alguns de seus produtos, mas mantiveram outros sem reajustes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.